Cultura

Obra de Domingos Rebelo em livro

Os 60 anos de carreira do pintor açoriano Domingos Rebêlo foram reunidos em livro que será apresentado no sábado, em Ponta Delgada, nos Açores, obra que inclui pinturas "mais intimistas e icónicas", foi hoje anunciado.

Obra de Domingos Rebelo em livro
"Este é o primeiro livro sobre o pintor Domingos Rebêlo. Até agora só tinham sido publicados catálogos", disse à agência Lusa Jorge Rebêlo, neto do pintor e um dos autores do livro "Domingos Rebêlo: Pintura", que trata exclusivamente da técnica do pintor.

Domingos Maria Xavier Rebêlo, que nasceu em Ponta Delgada em dezembro de 1891, retratou a cultura açoriana, daí ter sido apelidado de pintor etnográfico. Jorge Rebêlo adiantou que o livro, com 160 páginas e que resulta do trabalho de 12 pessoas, mostra pinturas "mais intimistas e icónicas", como os "Os Emigrantes", que estão, sobretudo, em coleções particulares, na família e no Museu Carlos Machado, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel.

"A pintura é apresentada de forma cronológica, desde o início da carreira e depois consta uma cronologia sobre a vida do pintor", referiu Jorge Rebêlo, acrescentando que há também textos do pintor Tomaz Borba Vieira, que foi aluno de Domingos Rebêlo, e de Leonor Almeida Pereira, curadora da última exposição sobre o pintor açoriano no Museu Carlos Machado.

Jorge Rebêlo, que gostaria de fazer uma fotobiografia do avô, assegurou que depois deste primeiro livro virão outros, até porque Domingos Rebêlo, além da pintura fez gravuras, desenhos e ilustrações gráficas.

Apresentando-se como o neto que há 25 anos tenta realizar o sonho de dar a conhecer as obras do avô, Jorge Rebêlo considerou que Domingos Rebêlo "continua a ser um pintor esquecido", porque "a sua obra não está visível".

"Este livro é mais uma oportunidade para reforçar a ideia que ando a trabalhar, que é a de criar um espaço físico, onde a obra de Domingos Rebêlo esteja permanentemente à vista de quem se interessar por arte", destacou o investigador.

Segundo o investigador, Domingos Rebêlo está representado em mais de 60 instituições em Portugal e numa "infinidade gigantesca de coleções particulares dispersas pelo mundo". A primeira exposição de Domingos Rebêlo, que começou a pintar com 8 anos, aconteceu numa loja de fazendas, no centro de Ponta Delgada. Depois da formação em Paris, onde viveu seis anos, regressou, em 1913, à ilha de São Miguel, onde permaneceu 30 anos, deslocando-se de vez em quando a Lisboa, onde participou com regularidade nas exposições anuais da Sociedade Nacional de Belas-Artes, de que era sócio e de que seria mais tarde dirigente.

A partir de 1942, o pintor mudou-se, definitivamente, para Lisboa, cidade onde morreu em 1975.

A obra "Domingos Rebêlo: Pintura", publicação da editora Letras Lavadas com o patrocínio da Câmara de Ponta Delgada, é apresentado nos Paços do Concelho, no dia 03 de dezembro, quando passam 125 anos da data de nascimento do pintor.

Lusa