Desporto

Nuno Sociedade regressa às origens para esquecer as mágoas

 

Jogador está de volta à série Açores após dez anos ao serviço do Santa Clara. Não gostou da forma como saiu mas reserva explicações para o futuro.

Nuno Sociedade regressa às origens para esquecer as mágoas

Depois de dez anos no Santa Clara, Nuno Sociedade volta ao campeonato que o projectou para o profissionalismo © Acácio Mateus

 

Nuno Sociedade dispensa apresentações no âmbito do futebol regional mas para quem possa não o conhecer trata-se de um jogador que vestiu nos últimos dez anos a camisola do Santa Clara, competindo ao serviço dos encarnados de Ponta Delgada ao longo de onze temporadas consecutivas, oito delas no campeonato da Liga de Honra e três no escalão maior do futebol nacional.

Após uma década de dedicação ao clube, Nuno Sociedade regressa ao futebol amador – aceitou o convite do Santiago – com duas mágoas: a de sair pela porta pequena e a de não ter realizado qualquer jogo na I Liga nas três épocas que o Santa Clara esteve no campeonato principal.

O desabafo do jogador com palavras cambaleantes demonstra que a saída do Santa Clara ainda está a ser digerida. «Não esperava sair assim mas com o passar do tempo fui sentindo uma ligeira certeza de que viria a sair. É pena que tenha sido desta forma», afirmou, mas não se deixando derrotar pelo desânimo. «Isto dá-me forças para continuar e conhecer melhores pessoas», atirou.

De capitão, passando por suplente até não utilizado, Nuno Sociedade viveu de tudo um pouco nos dez anos de Santa Clara. Mas as explicações ficam para mais tarde. «Lá mais para a frente poderei falar sobre isso. Agora deixem o Santiago ser grande», disse.

O experiente jogador de 31 anos quer iniciar uma nova fase na sua carreira e o primeiro passo para tal é colocar o passado atrás das costas. «O Santiago é um novo ciclo para mim. Não sei o que é jogar na série Açores há dez anos. Vou assimilar esta nova etapa nos primeiros tempos na expectativa que tudo corra bem. Depois de dez anos como profissional esperava mais respeito», desabafou.

A entrada no clube de Água de Pau assinala, também, um novo momento na vida profissional – abraça carreira na construção civil – e, em simultâneo, um regresso ao passado porque na equipa do concelho de Lagoa terá, certamente, a possibilidade de voltar a jogar na posição que mais lhe agrada: no meio-campo a organizar o futebol de ataque.

«Todos sabem que é no meio-campo que gosto de jogar e estou convicto que o Santiago também me vai ajudar nisso. Aqui terei mais oportunidades de jogar onde gosto. Será um regresso às origens».
 
Acácio Mateus