Graciosa Online

Fábio Mendes



Ferraris nas salas de alguns graciosenses  2012-04-02

É um luxo que nem todos podem suportar, em especial nos dias que correm. Mas a verdade é esta - alguns graciosenses têm o privilégio de ter Ferraris estacionados nas suas salas. Magestosos, em silêncio, resignados à sua nova função de bibelot, aguardam alguém com quem partilhar as suas glórias passadas. Foi esta condição que assumi durante o verão de 2010 - partir à descoberta da vida de muitos pianos que habitam algumas casas da Graciosa. 


Palmira Mendes Enes aqui tão perto  2012-05-03 

A insigne graciosense esteve profissionalmente ligada à Base das Lages. Deu aulas de música na Secção Recreativa, tendo para esse fim um espaço disponibilizado pelo teatro Azorea. Foi igualmente responsável pela direção musical do grupo coral e organista da Igreja de Nossa Senhora do Sor, após o convite que lhe dirigiu o capelão da Base na época, o capitão Lino Vieira Fagundes. Sob a batuta do violinista Álvaro Carreiro, Palmira Mendes Enes integrou como pianista a orquestra AeroJazz, pioneira do género nos Açores, a qual se apresentava regularmente no Clube de Oficiais. Enfim, uma vida musical coroada de êxitos.

 


SFUP - laboratório de ideais republicanos  2012-06-07

Com um perfil social tão heterogéneo, a SFUP serviu de laboratório para a implementação dos valores republicanos. O mérito individual sobrepôs-se, assim, ao valor do berço ou do sobrenome. Esta heterogeneidade social que galanteia a SFUP desde a sua fundação talvez tenha sido um dos segredos para o seu sucesso. Que assim continue a ser. Quanto a Manuel de Sousa da Silva, faleceu nos EUA no início do século XX e era meu trisavô.  



Maria de Lourdes Moniz  2012-10-23

Muito cedo - com sete anos incompletos - entrou para o mundo da música, concretizando um desejo e uma vontade que nasceu com ela. Os seus primeiros passos na música foram dados por incentivo de uma tia e prima - D. Maria Carmina de Vasconcelos Moniz, pianista distinta que marcou várias gerações de graciosenses na primeira metade do século XX. Com ela aprendeu a teoria musical e a técnica pianística a um nível muito avançado face à limitada oferta formativa da Graciosa na época em questão. Aluna exemplar, Maria de Lourdes Moniz veio a ocupar precocemente o lugar da sua mestra como organista na Matriz de São Mateus, como pianista acompanhadora em teatro de variedades e, mais tarde, como professora particular de piano. Da sua lista de alunas particulares constam nomes como Maria de São José Mesquita, Alda Sousa, Leonor Pereira de Melo, Natalina Boga, entre muitos outros.



A Maçonaria na Graciosa e na Música  2013-01-03

Gratuitamente e sem grande esforço qualquer graciosense pode contemplar e até tocar na Maçonaria. A fachada atual da ermida dos Remédios na Praia, há várias décadas dedicada ao culto do Divino Espírito Santo, contém traços maçónicos. O atual edifício data de 1933 e veio substituir uma pequena ermida do século XVII contígua ao solar que hoje abriga a Escola Primária da Praia e a Academia Musical. Na referida fachada, desenhada pelo punho de um graciosense - Tenente Reis, também ligado ao projeto da escadaria de acesso à furna do enxofre na Caldeira - é visível o culto pelo número 3 e pela forma geométrica triangular, ambos idolatrados pelos maçons. É possível que se trate do único edifício sacro com traços maçónicos nos Açores e talvez em Portugal. Mais uma curiosidade útil e motivo de orgulho para todos nós.



Prefácio a CANTIGAS DA MINHA TERRA I  2013-01-29

"Das modas da minha terra/ a charamba é a primeira/onde quer que ela se cante/lembra a ilha Terceira". Fosse este livro um baile tradicional e assim teria o seu preâmbulo musical - ao som da Charamba, dolente, em tonalidade menor, lembrando o balançar das naus que trouxeram a esta terra os seus primeiros habitantes. Os primeiros povoadores dos Açores fizeram-se acompanhar da sua mundividência. Aqui se incluem as tradições musicais que, por persistência dos Homens, perduraram ao longo de seis séculos. A música marcava o passar do tempo nestas ilhas: consistia, por um lado, num pretexto para sociabilizar e, por outro, num modo de amenizar a dureza das condições de vida.



Prefácio a CANTIGAS DA MINHA TERRA II  2013-02-06

Os bailes particulares de caráter rústico aconteciam pela altura do Carnaval sobretudo nos lugares periféricos aos principais aglomerados urbanos (Santa Cruz e Praia). No lugar de Lagoa, por exemplo, era frequente alguns vizinhos prepararem espontaneamente bailes animados pelo repertório tradicional da Graciosa. Na casa de Guilherme Lima, mais conhecido por Guilherme "Flória", pai de Manuel da Ajuda, conhecido tocador, foram organizados muitos bailes tradicionais durante a primeira metade do século XX. E quem fala da Lagoa podia falar da Ribeirinha, das Fontes, Vitória ou Carapacho.



Prefácio a CANTIGAS DA MINHA TERRA III   2013-02-14

A obra que estamos a prefaciar irá pertencer ao cânone da Etnomusicologia Portuguesa, área das ciências musicais dedicada ao estudo da música tradicional portuguesa. Já foi percorrido um longo caminho nesta área. O interesse pelas tradições do povo português surgiu ainda na primeira metade do século XIX através do movimento literário associado ao Romantismo. Almeida Garrett, um dos protagonistas deste movimento, personalidade que honrou a Graciosa com a sua presença, deu o primeiro passo para a divulgação das tradições literárias do povo português com a publicação do seu Cancioneiro.



97 anos da opereta A FLOR DA SERRA 2013-05-07

"No ultimo dia do mês de Abril estreou-se no theatro a opereta «A Flor da Serra». (...) O que julgávamos uma utopia tornou-se uma encantadora realidade e a representação da «Flor da Serra» foi um triunfo para os noveis artistas."[...][1] Esta foi a notícia de primeira página do jornal A Graciosa do dia 16 de Maio de 1916.


Visitas Musicais - Carlo Stella, organista e musicólogo  2014-03-07

Em pleno século XX e XXI estas visitas continuaram a marcar presença na ilha, particularmente no período estival. Muitas vezes, todavia, poderão passar despercebidas aos nossos olhos, camufladas sob o típico retrato do novo turista - o backpacker. Foi neste contexto que conheci Carlo Stella, visita assídua da Graciosa a quem é dedicado o artigo de hoje.

 

Praia - 469 anos de elevação a vila  2015-04-06
Falar da Praia é falar de mar e de coragem. A Praia constituiu-se desde cedo como um dos principais pontos de entrada na ilha Graciosa. Pelos seus portos foram e continuam a ser escoados os seus abundantes recursos hortícolas; pelos seus portos entraram grandes individualidades e com elas as ideias de mudança que marcaram cada capítulo da nossa história insular. O mar trouxe grandes tesouros aos praienses mas também grandes angústias. Várias histórias de piratas povoaram durante séculos o imaginário dos praienses. Um desses episódios ocorreu em 1691 quando corsários ingleses entraram na Praia. Eram cerca de 50 e estavam armados de espingardas e pistolas.




 

Fábio Mendes