Graciosa Online

Marco Martins



Desertificação Humana 2011-11-17

Esta é a hora da verdade. A desertificação humana é uma ameaça bem real ao futuro da nossa ilha. Se a população continuar a diminuir, o desenvolvimento sustentado será apenas uma miragem. Saibamos pois encontrar motivação para lutar contra este prenúncio, defendendo o emprego, em particular o emprego qualificado, lutando por uma ilha desenvolvida, moderna e que ofereça qualidade de vida aos seus cidadãos...


Depressão e Suicídio  2011-11-24

No caso da Graciosa, como sabem, ocorreram na ilha ao longo dos últimos anos, até ao presente, um número francamente alarmante de suicídios para a dimensão da nossa população. Tendo em conta a taxa de suicídio em Portugal, que é de cerca de 10 casos por cada 100mil habitantes, haver, como houve, vários suicídios no mesmo ano na Graciosa é muito anormal...




Violência doméstica  2011-12-04

Na Graciosa, o problema da violência doméstica é muito significativo. Os Serviços de Acção Social, através dos seus técnicos e funcionários, têm desenvolvido um trabalho extremamente meritório nesta área, apoiando as vítimas de violência, participando na criação de estruturas de suporte e promovendo campanhas de sensibilização, de que é exemplo o Poster que está colocado junto à Biblioteca Municipal ou a caminhada contra a violência doméstica realizada em Setembro passado...



Desemprego Jovem  2011-12-19

Não podemos continuar assim. Em vez de nos empenharmos em construir uma sociedade evoluída, moderna e que responda aos problemas das pessoas, estamos a desperdiçar uma geração de gente competente e qualificada. O futuro dos Açores não é a ignorância, é a educação, a democracia e a igualdade de oportunidades...




Acesso à saúde  2012-01-16

O acesso a tratamento será certamente reduzido, por via desta política. Parece-me a mim que a necessidade de alguma contenção financeira no sector da saúde não pode ser conseguida à custa do sacrifício dos direitos mais básicos dos cidadãos. O tribunal de contas aponta para 25% de desperdício no sistema nacional saúde. Se calhar é por aí que se deve começar...




A importância do Sigilo Profissional  2012-03-29

No momento em que o segredo profissional for percepcionado pela população como algo que existe de facto, estou convencido que quebrar-se-ão os medos e receios que muitas vezes impedem a pessoa de procurar ajuda psicológica, sobretudo em meios pequenos. A pessoa teme que a sua vida privada seja devassada. Será quando esta impressão mudar que as pessoas procurarão ajuda psicológica com bastante mais frequência. Nessa circunstância, muito mais gente poderá ser ajudada. Assim o espero!




Precisamos manter a lucidez  2012-05-18

Então pergunto eu: e os pauis, que estão podres e no verão espalham um cheiro nauseabundo? Não foram prioridade porquê? Não se compreende. E o centro cultural, que está ao abandono, a cair literalmente aos bocados?Dá a sensação que enquanto não acabarem com tudo aquilo que nos orgulha, que nos distingue, não descansam. A estupidez, a mediocridade e sabe-se lá mais o quê deram as mãos, primeiro da destruição do areal da praia. Agora é a vez do centro de Santa Cruz padecer.




Tudo pelo durar se acaba  2012-06-21

Mas, apesar de tudo, o que tem deixado os açorianos especialmente assombrados são os desvarios dos instalados, gente que abusa do poder que conseguiu na administração regional, sem que a sua conduta seja reprimida pela cúpula do partido. Andaram à solta, fazendo da administração pública a sua casa. Pequenos tiranos floresceram em tudo quanto é organismo público, mandando e desmandando a seu belo prazer, sempre no seu interesse pessoal, de familiares e de amigos, esquecendo aquele que deveria ser o único interesse norteador do seu comportamento, a defesa do interesse público. Foi até criado um verdadeiro albergue da clientela do PS, chamado RIAC. Deixar esta gente à solta, foi um dos erros capitais da governação de Carlos César.



A batalha pela meritocracia  2012-07-05

Há, portanto, alturas na vida em que se torna necessário dizer "Basta". É preciso renovação! Não é possível aceitar que os Graciosenses se empenhem na formação dos seus filhos, para depois assistirem incrédulos à valorização de pessoas sem capacidade. A batalha pelo reconhecimento do mérito é decisiva. Aos jovens qualificados não lhes resta senão unirem-se e erguerem-se contra este sistema perverso, exigindo respeito. É imperativo denunciar, protestar e agir contra aqueles que querem roubar o futuro à Graciosa. E tenham em mente o conhecido provérbio popular: " Quem cala, consente".



A renúncia é libertadora  2012-08-02

Não há como colocar "paninhos quentes" sobre a situação. A nossa ilha está a submergir. A própria região, toda ela, navega em águas tortuosas. São demasiados os dados negativos. Na Graciosa, praticamente não nascem crianças; o número de óbitos é elevado, resultado do acelerado envelhecimento da população; os desembarques de passageiros são cada vez em menor número; os licenciamentos de obras estão em queda livre; o sistema de ensino enxota os jovens da ilha, cortando disciplinas estruturantes; o turismo sobrevive à conta da fundação INATEL; os nossos principais pontos turísticos foram destruídos, às mãos de um conjunto de insensatos; a ilha, salvo um punhado de honrosas excepções, não produz, nem para si, muito menos pensa em exportar.



Como é que a saúde adoeceu?  2012-08-08

A responsabilidade desta situação certamente não é dos cidadãos. No entanto, tem-se instalado a ideia perigosa de que o sistema gasta demasiado com as deslocações de doentes. Não me parece que os doentes andem a passear, alguns deles sentados horas e horas em cadeiras de rodas nos aeroportos, muitas vezes com doenças em fases terminais. Recordo que os custos com deslocações, entre ilhas e para o continente, se situam nos 4,5 milhões de euros anuais. Não é de todo um valor incomportável. Se o Hospital da Terceira tivesse custado 139 milhões, como estava inicialmente orçamentado, o restante valor que foi efetivamente gasto serviria para pagar 53 anos de deslocações.



O pior cego é aquele que não quer ver  2012-08-27

Reafirmo a minha convicção de que se deve avançar para a criação de uma equipa de saúde mental, colocando um médico de medicina geral e familiar responsável pela área, como acontece ou acontecia com as doenças metabólicas (Diabetes), juntamente com um psicólogo e um enfermeiro. Julgo ser importante providenciar formação específica para os elementos da equipa. Finalmente, é necessário potenciar as capacidades de tratamento especializado, conjugando consulta externa, apoio domiciliário e internamento, sempre que este último se revele indispensável.



Não brinquem com a Saúde  2012-09-17

Agora, um ano depois, e com a região sob assistência financeira, vão admitir sete funcionários, cuja necessidade é altamente discutível. Onde estarão agora as restrições orçamentais? No fundo todos sabemos do que se trata. São "tachos". São lugares criados para a rapaziada, em troca de apoio político. E tenho a certeza de que todos temos uma previsão de quem vai assegurar o seu lugar no centro de saúde.



Eleições autárquicas  2013-10-02

Agora que conhecemos as escolhas dos graciosenses, creio podermos fazer uma análise desapaixonada sobre os resultados eleitorais. Em primeiro lugar, parece-me óbvia a vitória do partido socialista e do dr. Manuel Avelar. Soube conduzir a campanha com inteligência e Soube conduzir a campanha com inteligência e preparação, ele que vinha de um mandato atribulado e negativo. preparação, ele que vinha de um mandato atribulado e negativo. Conseguiu projectar uma imagem positiva, melhorou substancialmente na comunicação com o eleitorado e foi bastante hábil na gestão global da campanha eleitoral (surpreendeu-me pela positiva).

Marco Martins