Local

Alemães salvam quebra do turismo nos Açores (som)

O Governo dos Açores reconheceu esta terça-feira que a quebra nas dormidas de turistas no arquipélago só não foi mais grave porque se registou um aumento dos estrangeiros que visitam a região, nomeadamente provenientes da Alemanha.

Alemães salvam quebra do turismo nos Açores (som)

© ailhadasflores.blogspot

“Na realidade, houve um decréscimo de dormidas, que só não foi superior porque aumentaram os turistas estrangeiros”, afirmou Luísa Schanderl, secretária regional da Economia, revelando que “o mercado alemão registou um crescimento de 60 por cento” e um operador espanhol mais do que duplicou as viagens previstas para Ponta Delgada e Angra do Heroísmo. 

Luísa Schanderl falava numa audição na Comissão de Economia da Assembleia Legislativa dos Açores, proposta pelo PSD na sequência do cancelamento das operações turísticas da Finlândia, Noruega e Polónia, que o executivo regional estimou representarem menos 70 mil dormidas no arquipélago nos próximos meses. 

A secretária regional salientou que o cancelamento da operação da Finlândia foi originado pela falência do operador turístico que deveria trazer os turistas aos Açores, enquanto as operações da Noruega e da Polónia foram canceladas porque não registaram a adesão que os operadores esperavam. 

No caso da Finlândia, que representou no ano passado cerca de 60 mil turistas nos Açores, Luísa Schanderl revelou que as autoridades regionais estão a negociar com outro operador para garantir a operação de 2013.



Jorge Macedo, do PSD, criticou a aposta na Polónia por ser um mercado totalmente desconhecido, considerando que foram “desperdiçados recursos numa operação que não tinha hipótese de sucesso”. 

“É preciso dar sustentabilidade aos mercados emissores e não estar sempre à procura de novos mercados”, defendeu o deputado regional social-democrata, recordando as quebras registadas este ano na vinda de turistas aos Açores. 

“Não admira que seis hotéis estejam fechados”, frisou, acrescentando que os dados relativos a dormidas e proveitos do turismo nos Açores em 2011 “estão ao nível de 2004 ou 2005”.



Na resposta, Luísa Schanderl defendeu que “a notoriedade de um destino vai-se conquistando” e salientou que a Polónia “não é uma primeira aposta, mas é um mercado emergente. 

Relativamente ao mercado português, a secretária regional admitiu que os turistas nacionais “não têm dinheiro”, o que os obriga a “contar todos os euros e a planear bem as férias”, destacando a importância do Cartão Açores, uma promoção recentemente anunciada pelo presidente do Governo Regional, que entra em vigor no próximo mês. 

“O Cartão Açores permite que a família saiba exatamente quanto vai gastar com a viagem, o alojamento e a alimentação”, frisou, numa alusão ao facto de ser um programa com todas as despesas incluídas, mas com a novidade de o turista poder fazer as refeições no restaurante que escolher e não no hotel onde fica alojado.

Lusa/Antena um Açores