Ouvir
Programa da Manhã
Em Direto
Programa da Manhã Com José Carlos Trindade

Discos

Disco A1: Cuca Roseta

O disco de estreia de Cuca Roseta é disco Antena 1! Um testemunho verdadeiro de uma vocação.

|

Disco A1: Cuca Roseta



Cuca Roseta esteve na Antena 1 e conversou com Ana Sofia Carvalhêda.

Veja no sítio do Cinemax o novo vídeo clipe de Cuca Roseta rodado por Ivan Dias.

Cuca Roseta: a mais rara verdade

Por uma vez, escrever ‘destino', ‘alma' e ‘verdade' sem medo de exageros ou lugares-comuns quando se fala de fado.
Trata-se de um privilégio raro, porque raros são os predestinados a cantar um género musical que não deixa mentir. E o fado não deixa mentir: não interessa a voz, a figura, o estilo - ou sentimos verdade ou não sentimos. E com Cuca Roseta, sentimos.
O seu disco de estreia, em nome próprio, resume a história de alguém que sempre acreditou numa vontade maior do que ela - e soube esperar. Mesmo já tendo participado numa banda marcante para a música moderna portuguesa, Cuca Roseta sempre soube que era no fado que se iria encontrar. Apenas esperava o momento certo, os cúmplices perfeitos.
Aconteceu. De um encontro fortuito (alguns dirão predestinado) com o músico, compositor e produtor argentino Gustavo Santaolalla - que já conta na bagagem com dois Óscares para Melhor Banda Sonora (Babel e Brokeback Mountain) nasceu este «caso de amor musical», nas palavras da própria fadista. Santaolalla, que terá ficado deslumbrado com uma actuação de Cuca, reconheceu na voz da fadista essa universalidade da alma, que não conhece língua ou fronteira. O convite foi imediato, e a proposta tão simples como ambiciosa: dar a conhecer ao planeta a voz, a artista e o ser humano que é Cuca Roseta. Mais do que um projecto musical, para Santaolalla era quase uma missão. E assim nasceu este disco.
Durante a gravação o produtor deu tempo e espaço para a voz de Cuca Roseta dizer a verdade que tem.
O resultado é uma colecção de temas que, dos mais clássicos como "Rua do Capelão" ou "Marcha de Santo António", até aos musicados como "Porque Voltas De Que Lei" (letra de Amália Rodrigues, colaboração do tanguero Cristobal Repetto e do próprio Gustavo Santaolalla) ou "Maré Viva" (poema de Rosa Lobato Faria vertido para castelhano), este é um testemunho verdadeiro de uma vocação. E ainda com a mais-valia de nos apresentar uma fadista dona das suas próprias palavras, como acontece em "Homem Português" ou "Nos Teus Braços".

Como cúmplices musicais perfeitos, Mário Pacheco na guitarra portuguesa, Pedro Pinhal na viola de fado e Rodrigo Serrão no contrabaixo. E ao comando de tudo, a extraordinária sensibilidade de Gustavo Santaolalla, a dar espaço, tempo e voz para que Cuca cumpra o que sente e enfim o possa mostrar ao mundo, porque a alma e universal.
Cuca Roseta sabe que seguiu o seu destino, e não é menos do que isso que ela quer partilhar connosco, de forma natural, genuína e com um timbre tão perfeitamente afinado. Agora é a nossa vez: esta verdade tem de ser ouvida de tão rara que é!.


Destino e verdade

"Nestes dias difíceis e cépticos começa a ser quase perigoso acreditar em predestinações e outros fenómenos que dependam mais do espírito do que dos sentidos. Mas depois conversamos com pessoas como a Cuca Roseta, que de repente, num sorriso meio desabafo meio suspiro, confirma docemente: «Acho que nasci para isto».
«Isto», entenda-se, é a sua vida. «Isto» é o fado.
E é esta absoluta sinceridade, quase à beira da displicência, que nos deixa perplexos, quase escandalizados. Esta aceitação natural de um destino, visível nos olhos escuros de Cuca, é também o sinal do que o que diz é genuíno e sentido. E ainda por cima tem razão.
Felizmente para nós, o primeiro passo desse destino está agora registado em nome próprio:
Cuca Roseta, o disco de estreia, mostra a a verdade de quem canta aquelas palavras. Porque o fado tem este mistério: não deixa mentir.
Já lá iremos. Demoremo-nos agora um pouco pelos dias de Isabel «Cuca» Roseta , para percebermos que palavras tão gastas como essenciais - quando se escrevem textos sobre fado - por vezes fazem todo o sentido. Palavras como «destino» ou «alma», por exemplo.
A verdade é que nada na vida de Cuca Roseta deixava prever o fado que um dia a iria escolher. Não havia na família antecedentes fadistas e o género musical mais ouvido na sua casa era a música erudita. Ate que, aos 18 anos, vai a uma casa de fados. Primeiro embate, primeira pequena invasão na alma de Cuca Roseta: se o fado ainda não a seduzia por completo, começou a precisar dele para a vida: «Ia às casas de fado mais pelo lado emocional, era muito intenso», lembra. Sem o saber já era tarde: o fado tinha-a definitivamente escolhido.
Começou a cantar, timidamente. Uma vez, um ouvinte especial percebeu na sua voz a verdade que começava a saber dizer. Era Carlos Zel, que insistiu: «Tens de aprender mais fados». Ela prometeu que o iria fazer.
Mas a vida tem esta mania de se intrometer nos nossos planos e de repente Cuca pertence a uma banda pop que apenas com um pequeno repertório deixava marca no panorama do burgo - os Toranja. Foram tempos excitantes, uma aventura de sucesso. Mas havia um vazio, sempre um vazio...
Já com uma licenciatura em Psicologia, decide participar num concurso de fados no Porto. Aprendeu oito temas. Mas o maior prémio de Cuca veio em forma de uma inabalável certeza: «É isto que eu quero fazer», terá pensado na altura. E determinada, foi em busca do que lhe estava destinado.
Foi um ano a deambular por Lisboa, a cantar e a aprender, sempre a aprender. Tornou-se uma presença habitual nos locais onde acontecia fado, falou com músicos, outros fadistas. «Havia um mundo de coisas para aprender, que tinham a ver com a poesia, com a emoção». Conheceu Ana Moura, que a encoraja a continuar. E uma noite é apresentada por Nobre Costa a João Braga, conhecido pelo seu gosto e visão de lançar novos fadistas nos seus espectáculos.
«O que fazes daqui a três dias?», terá perguntado o fadista a uma muito impressionada Cuca Roseta.
«Nada.», respondeu.
«Óptimo. Então vais entrar num espectáculo comigo para a RTP».
Alguém falou em destino?
Depois seguiu-se o ciclo do Clube de Fado. Mário Pacheco, guitarrista e proprietário da casa, tem uma sensibilidade especial para as novas vozes. Gostou da nova fadista e rapidamente passou a integrar o prestigiado elenco. Durante este tempo soube absorver todos os segundos de fado à sua disposição. E foi numa dessas noites em que não deveria lá estar que aconteceu o que justifica estas linhas. Assim, sem planos ou esperanças. A noite em que sem estar previsto, absolutamente por acaso, sorte ou mistério, Cuca Roseta encontrou o argentino Gustavo Santaolalla: músico, produtor, reconhecido compositor de bandas sonoras (com ´Oscares pela música de
Babel e Brokeback Mountain). O tal destino teimoso, em que cada vez mais Cuca acredita. Diz ela, como que revendo essa noite pela primeira vez, pausada mas definitiva: «Acredito no destino. E tudo me aconteceu de forma simples, apanhando-me quase distraída».
Ao ouvi-la cantar, Santaolalla, depois do deslumbre, disse de imediato querer gravar com ela. Cuca, sensatamente, estranhou - porque não fazia ideia sobre quem era o desconhecido que lhe fazia semelhante proposta. Alguém enfim identificou o argentino, Cuca pede desculpa por não ter ideia de quem era o produtor. Santaolalla responde: "Não interessa quem sou. O que interessa é que vi em ti uma estrela". E saiu.
Os dias foram passando, e Gustavo continuava a ligar e a insistir para que Cuca  conhecesse o projecto musical que o produtor tinha construído para ela. Entretanto, outras editoras, sabendo do interesse do produtor, começam a cercar Cuca Roseta, que recusa tudo com a força que provém da certeza da paixão («a minha relação com o Gustavo foi mesmo um caso de amor musical», irá confessar mais tarde.  E desta maneira o que tinha que acontecer, aconteceu. Começava a nascer o disco
Cuca Roseta.  
Todos os fadistas que fazem o seu percurso em casas de fados passam por uma terrível provação quando têm que enfrentar a solidão do estúdio. A rapariga que participou em
Fados de Carlos Saura ou cantou para Bento XVI durante a visita do Papa a Portugal conseguiu dar tudo o que tinha, beneficiando do incrivel ambiente proporcionado por Gustavo Santaolalla. E confirma: «Não senti muito a solidão de estar ali a gravar, entreguei-me `a emoção». O resultado é um belissimo disco de estreia, com um repertório que passa por alguns clássicos ("Rua do Capelão", "Avé Maria Fadista" ou "Marcha de Santo António"), outros fados musicados (o magnifico "Porque Voltas De Que Lei", letra de Amália com a colaboração do próprio produtor e do tanguero Cristobal Repetto; ou "Maré Viva", um poema de Rosa Lobato Faria levado para o castelhano por Santaolalla), e sobretudo a afirmação de Cuca Roseta como letrista em causa própria. Excelentes exemplos são "Homem Português" e "Nos Teus Braços", onde Cuca assina também a musica. Esta «autonomia» de talento torna-a assim ainda mais próxima do que canta.
Como cúmplices musicais perfeitos, Mário Pacheco na guitarra, Pedro Pinhal na viola de fado e Rodrigo Serrão no contrabaixo. E ao comando de tudo, a extraordinária sensibilidade de Gustavo Santaolalla, a dar espaço, tempo e voz para que Cuca cumpra o que sente e enfim o possa mostrar ao mundo, porque a alma e universal.
Talvez estes sejam dias difíceis, em que a realidade nos invade mais do que gostaríamos. Mas a alma resiste, a alma persiste. A força quase mistica que se desprende de Cuca Roseta, a sua fé, a sua comunhão com o que sente e com a natureza que a rodeia pode oferecer esperança de redenção de tudo pela beleza. Quando se volta a insistir no destino, ela sorri outra vez e outra vez nos desarma: «Eu quero simplesmente cantar». E levanta-se, e junta-se aos músicos que a esperam e a sua voz afinadíssima prende-se com a da guitarra portuguesa e deixamo-nos levar por este caminho de verdade absoluta.


Nuno Miguel Guedes