Ouvir
Música Hoje
Em Direto
Música Hoje Miso Music Portugal

Argumentos de Óperas, Obra


Requiem Alemão

Obra coral

Estreia 18 de Fevereiro de 1869 no Gewandhaus de Leipzig

Antecedentes Composto entre 1865 e 1868, e estreado integralmente a 18 de Fevereiro de 1869 no Gewandhaus de Leipzig, o Requiem Alemão de Johannes Brahms é, no seu conjunto e apesar do nome, uma obra bem mais dramática do que religiosa. Não foi pensada para ser destinada à liturgia, nem se quer se trata de uma missa dos mortos ou de uma oração. A intenção de Brahms era sim criar um grandioso cenário musical que servisse de meditação sobre a morte. Para isso, Brahms baseou-se em fragmentos da bíblia de Martinho Lutero.

Resumo I. O primeiro andamento baseia-se nas palavras de São Mateus "Bem Aventurados os que choram, porque serão consolados", e ainda no salmo "Os que semeiam entre lágrimas, com alegria ceifarão".

II. Na segunda parte do Requiem Alemão temos três textos: "Porque toda a carne é como erva e toda a glória como a flor da erva", da 1ª epístola de São Pedro, citando Isaías; "Sede, pois, paciente e fortalecei os vossos corações porque a vinda do Senhor está próxima" da epístola de São Tiago; e, por fim, "Os remidos pelo Senhor voltarão", outra vez citação de Isaías.

III. Na terceira Parte, a voz do barítono surge angustiada com o salmo 38 "Fazei-me conhecer, Senhor, o meu fim e qual é o número dos meus dias". A resposta é dada pelo coro a partir do livro da sabedoria "Mas as almas dos justos estão na Mão de Deus e não os tocará o tormento da morte".

IV. O quarto andamento surge serenamente com mais um salmo cantado pelo coro: "Quão amável é a tua morada, Senhor dos Exércitos"

V. O quinto andamento, por sua vez, é uma comovente oração entregue á soprano. Este foi o último andamento a ser composto por Brahms - uma das suas páginas mais belas, escrita em 1865 em memória da sua mãe. Temos assim São João, com as palavras "Vós também estais tristes, mas eu hei-de ver-vos de novo"; Isaías "Vede Como uma mãe acaricia o seu filhinho, assim eu vos consolarei" e, finalmente, as palavras do livro de Ben Sira "Vede o pouco que trabalhei, e como adquiri muito descanso"

VI. Depois deste grande arioso expressivo, o sexto número deste requiem é como que um grande acto de fé e por isso um dos momentos mais fortes da obra. O barítono interroga com a epístola dos hebreus "Porque não temos aqui cidade permanente, mas vamos buscando a futura?". O coro responde com a 1ª epístola dos Coríntios "Eis que vos revelo um mistério: todos certamente ressuscitaremos, mas nem todos seremos mudados". Por fim, numa grandiosa dupla fuga ouvem-se as palavras do Apocalipse de São João "Tu És Digno, ó Senhor nosso Deus, de receber glória e honra e o poder"

VII. O sétimo andamento serve de conclusão a esta obra - Mais uma vez o texto do Apocalipse serve para o coro anunciar o repouso eterno com um grande arrebatamento sagrado de piedade serena, réplica musical e espiritual do coro inicial. O Requiem Alemão termina com as palavras "Bem-aventurados os mortos, que morrem no Senhor!"