Ouvir
Memória
Em Direto
Memória Alexandra Louro de Almeida

Argumentos de Óperas, Obra


Zampa

Ópera em três atos

Libreto Anne-Honoré-Joseph Duveyrier de Mélésville

Estreia Ópera- Cómica de Paris em 3 de maio de 1831

AntecedentesFerdinand Hérold nasceu em Paris a 28 de Janeiro de 1791. As suas primeiras aulas de música foram em casa com o seu pai, pianista e compositor, tendo sido admitido mais tarde no Conservatório de Paris, onde conheceu e trabalhou com Méhul e Catel; Em 1812 concorreu ao prestigiado Prix de Rome com as suas peças para piano que lhe deram o primeiro lugar. Como vencedor do prémio foi para Itália onde conviveu com Paisiello, Mayr e Zingarelli que o incentivam a compor ópera. É assim que surgiu La jeunesse de Henri V, a primeira ópera de Herold, e um estrondoso sucesso em Nápoles, onde trabalhava como pianista para a rainha Carolina. De regresso a Paris, lançou-se definitivamente na aventura lírica com a ajuda de Boieldieu, produzindo em 1816 Les rosières, o primeiro de muitos êxitos retumbantes, intervalados de fiascos, a maior parte devidos a fracos libretos. Em 1827, um ano após o êxito da sua ópera Marie, tornou-se maestro do coro da Ópera de Paris, ano em que se casou com Adelle Rollet. Um ano depois consagrou-se também como compositor de ballets com La Fille mal gardée. A ópera Zampa chegou com um estrondoso sucesso em 1831, ano em que Ferdinand Hérold começava a evidenciar problemas de saúde, sendo que em 1833, pouco depois da estreia da sua ópera Le Prés-au-Clercs, morreu de tuberculose em Paris.

A música de Ferdinand Hérold ainda hoje permanece bastante popular na França sobretudo à custa de La Fille mal gardée e Zampa, muito tocadas também em Itália e na Alemanha.


Resumo

Num castelo algures na Sicília, Alphonse de Monza e a sua noiva Camille aguardam com ansiedade o momento do seu casamento. Enquanto esperam pelo pai da noiva, um rico mercador, Camille canta a balada de Alice Manfredi que foi traída pelo seu amor e que agora não passa de uma estátua no castelo. Eis que chega um estranho... É Zampa, um pirata proscrito e procurado pelas autoridades - na realidade Zampa não é senão o próprio conde de Monza, o irmão mais velho de Alphonse, e o sedutor da tal Alice Manfredi da balada. Zampa resolve revelar a sua verdadeira identidade a Camille e acrescenta ter sequestrado o seu pai, só revelando o seu paradeiro, caso Camille case com ele. Depois, chama os seus piratas e começam todos a festejar ruidosamente. Num acto simbólico, Zampa coloca um anel no dedo da estátua, acontece que depois já não o consegue retirar.


No segundo acto Zampa expressa a sua paixão por Camille. É interrompido nos seus pensamentos pela chegada de uma carta. Foi enviada pelo vice-rei que promete perdoar Zampa se ele liderar a frota real numa batalha. Entretanto, para salvar o seu pai, Camille aceitou casar-se com Zampa. É assim que chagamos à capela onde tudo está a postos para o casamento. Quando os noivos se preparam para entrar na capela, Zampa sente a mão de mármore de Alice no seu ombro... Camille está aterrorizada. É então que começam a ouvir a voz de Alphonse que canta uma barcarola no jardim. Camille pede em vão por Zampa, escapando-se quando o pirata é obrigado a confrontar-se com a estátua que o aperta nos seus braços até ele morrer. Depois, zampa e Alice são engolidos pelo Etna que irrompe em chamas e lava.

Alphonse, Camille e o pai de Camille, são assim finalmente reunidos.