Ouvir
Notícias
Em Direto
Notícias

Argumentos de Óperas, Obra


As Fadas

1ª ópera (20 anos)

Libreto: Richard Wagner baseado na "Dama Serpente" de Carlo Gozzi

Estreia: (Munique) Teatro Real, 29 de Junho de 1888


PersonagensFada Farzana
Fada Zemina
Fada Ada
Rei das Fadas
Arindal, Rei de Tramond
Gunther, Companheiro de Arindal
Gernot, Servo de Arindal
Harald, General de Arindal
Lora, Irmã de Tramond
Morald, Noivo de Lora
Drolla, Aia de Lora
Mago Groma


AntecedentesAs óperas completas de Wagner são em número de 13 e foram escritas entre 1833 e 1882 abrangendo um período de quase meio século, tendo a primeira sido escrita quando o compositor tinha 20 anos e a última estreou poucos meses antes da sua morte.
"As Fadas" foi escrita, como dissemos, quando Wagner tinha 20 anos. Mesmo assim era já a sua quarta obra cénica, se contarmos "Leubald" e "As Núpcias", além duma ópera pastoral inacabada e desaparecida, por iniciativa do próprio compositor.
"As Núpcias" foram iniciadas em 1832 e interrompidas talvez pelo desinteresse do jovem Wagner, talvez por intervenção da sua irmã Rosalie que já o influenciara quando do abandono de "Leubald".
No ano seguinte começa o trabalho numa outra ópera, também com libreto de sua autoria, como sempre, e certamente com a aprovação da família.
Esta primeira ópera completa foi terminada no dia 6 de Janeiro de 1834, mas só seria levada a cena em 1888, cinco anos depois da morte do compositor. Para o libreto Wagner baseou-se na "Dama Serpente" de Carlo Gozzi. Musicalmente Wagner jogou também pelo seguro tentando manter-se na mesma linha da tradição lírica alemã, seguindo os modelos dos Mestres.

1.º Acto"As Fadas" contam-nos a história de Arindal, Rei de Tramond. Um dia ele parte em perseguição duma gazela duma beleza excepcional. Durante essa perseguição, que faz na companhia do seu servo Gernot, consegue chegar, de forma misteriosa, ao Reino das Fadas onde é recebido, não pela gazela, mas pela bela Fada Ada que o afronta. Arindal apaixona-se de imediato por Ada, com quem se casa, depois de prometer que, durante 8 anos, não irá tentar saber quem ela é. Os anos passam e nascem duas crianças. Porém, Arindal não consegue resistir à tentação e, pouco antes de terminar o prazo que prometera respeitar, faz a pergunta proibida.
É então separado de imediato de Ada, expulso do Reino das Fadas e enviado para uma região desértica coberta de rochedos. Mas Ada não está disposta a viver separada de Arindal, por amor do qual está disposta a abandonar a sua condição de Fada e a tornar-se mortal. Mas o Rei das Fadas impõe condições que Arindal não irá poder aceitar. É assim que a ópera se inicia com a Fada Farzana e a Fada Zemina convocando os Espíritos e as Fadas do Reino Encantado para tudo fazerem para separar Ada de Arindal conservando-a junto deles. Enquanto Arindal erra em busca de Ada, o seu servo Gernot encontra-se com Gunther e Morald, escudeiros de Arindal que deixaram a corte de Tramond para ir em sua busca. Na verdade, o pai de Arindal, julgando que o filho se perdera para sempre, morrera de desgosto, e Murold, seu inimigo, invadira o país, pretendendo casar-se com Lora, irmã de Arindal e noiva de Morald. Gernot, então, conta ao seu amo a história da malvada feiticeira Dilnovaz, tentando levá-lo a acreditar que Ada não é outra senão uma feiticeira igualmente malvada e que foi uma sorte ter-se visto livre dela. Gunther e Morald, disfarçados de padre e do pai de Arindal, tentam ajudar Gernot a convencê-lo, mas ambos são desmascarados por forças mágicas. Morald decide então limitar-se a contar a verdade fazendo o relato daquilo que aconteceu em Tramond , o que leva Arindal a tomar a decisão de regressar com eles ao seu Reino. Porém, antes de iniciar a jornada, Arindal é de novo transportado até ao Reino das Fadas, onde se encontra com Ada que o faz jurar nunca a amaldiçoar, seja o que for que venha a acontecer. Arindal aceita e faz o juramento.

2.º ActoO 2º acto passa-se no Reino de Tramond onde Lora espera o regresso de Morald, seu noivo, e a felicidade parece perfeita quando ele chega na companhia de Arindal e de Gernot que festeja o reencontro com a sua amada Drolla depois de 8 anos de separação. A felicidade parece perfeita... até à chegada de Ada, que decidiu juntar-se a Arindal e perder a imortalidade em nome do Amor. Só que as condições impostas pelo Rei das Fadas eram terríveis: Ada deveria mostrar-se a Arindal sob a máscara duma mulher terrível capaz das atitudes mais cruéis... sem que ele nunca a amaldiçoasse. Se ele o fizer, Ada será transformada em pedra, assim permanecendo durante 100 anos. É assim que a Fada se diz disposta a lançar os filhos num abismo para serem devorados pelas chamas, e se diz inimiga daquele povo e daquela terra, aos quais irá trazer uma guerra devastadora. Perante isto, esquecendo a promessa feita, Arindal amaldiçoa Ada... e ela transforma-se em pedra. Arindal então compreende o que aconteceu e fica desesperado.

3.º ActoNo último acto vamos encontrar Morald e Lora como Reis de Tramond, enquanto Arindal, enlouquecido, vagueia numa constante inquietação.
O Mago Groma, amigo desde sempre dos soberanos de Tramond, convence Arindal a salvar Ada. Convencidas de que esse acto irá causar a perda definitiva do seu inimigo, as Fadas Farzana e Zemina ajudam Arindal. Groma entrega-lhe um escudo, uma espada e uma lira, e dirige-o no combate aos Espíritos da Terra. Os sons da lira acabam por salvar Ada da sua prisão de pedra. Ada e Arindal encontram juntos a felicidade, não como a Fada pretendia, tornando-se mortal, mas através da imortalidade de Arindal.

RDP - Transmissões em "Noite de Ópera" desde 1996
1999 - 7 de Outubro
Enredo resumido da autoria de Margarida Lisboa.