Estreias  

A palavra e o sexo segundo Brisseau

Sem ceder a modas, Jean-Claude Brisseau continua fiel a um cinema atravessado pelos temas sexuais, seus dramas e ironias — "Que o Diabo Nos Carregue" é mais um exemplo da sua singularidade na paisagem da produção francesa.

A palavra e o sexo segundo Brisseau
Fabienne Babe, Anne Sigalevitch e Isabelle Prim — entre o desencanto e o trauma
Crítica de
Subscrição das suas críticas
135

O veterano francês Jean-Claude Brisseau pratica um cinema muitas vezes reconhecido (e polemizado...) apenas por causa das suas componentes sexuais. É verdade que a sexualidade das suas personagens, sobretudo as femininas, impõe-se sempre como tema nuclear. Mas não é menos verdade que a sua "figuração" (mais ou menos paródica, convém referir) envolve sempre a sensualidade da palavra.

O mais recente filme de Brisseau, "Que o Diabo Nos Carregue", aí está como sugestivo exemplo das suas acrobacias narrativas, colocando em cena três mulheres — interpretadas por Fabienne Babe, Isabelle Prim e Anne Sigalevitch — marcadas por experiências sexuais que oscilam entre o desencanto romântico e o mais profundo trauma psicológico.


Apetece dizer que estamos perante uma genuína comédia sexual, mesmo se a aparente ligeireza de situações não exclui a emergência de factores de clara perturbação. No fundo, Brisseau gosta de brincar com as expectativas do espectador, surpreendendo-o quase sempre de forma desconcertante.

Podemos, assim, aproximar "Que o Diabo Nos Carregue" de um certo modelo de conto moral que atravessa a história do cinema francês — lembram-se dos "Seis Contos Morais", de Eric Rohmer, com destaque para o genial "A Minha Noite em Casa de Maud" (1969)? O cinema apresenta-se, aqui, como um exercício de desmontagem das aparências, alimentando uma bela ilusão: a de, através da fala, podermos dizer todas as contradições dos nossos desejos.

Crítica de João Lopes actualizado às 23:16 - 16 março '18
publicado 23:10 - 16 março '18

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes