As estreias portuguesas de 2016
"Cinzento e Negro", o primeiro filme de Luis Filipe Rocha desde 2007.

Cinema Português  

As estreias portuguesas de 2016

O ano cinematográfico vai ser rico e diverso para o cinema português. O CINEMAX antecipa as principais estreias nacionais.

Os novos filmes de Luis Filipe Rocha, João Pedro Rodrigues, Marco Martins, João Nicolau, Vicente Alves do Ó, Hugo Vieira da Silva, Rodrigo Areias, Ivo M. Ferreira e Luis Galvão Teles estreiam no decorrer deste ano. Há uma dezena de novos filmes prontos a estrear e quatro chegam aos cinemas já no decorrer do mês de março.


A abertura do Fantasporto acontece com um filme nacional, "Gelo", do produtor e realizador Luís Galvão Teles, que não estreia um filme realizado por si desde "Dot.com”, em 2007. Luis realizou o filho a meias com o filho Gonçalo.

“Gelo” é uma história passada entre o real e o universo de sonho. Os atores Ivo Canelas, Albano Jerónimo e Afonso Pimentel partilham o elenco com actrizes espanholas. "Gelo", inaugura o Fantasporto e chega aos cinemas dia 3 de Março.


Uma semana depois, a 10 de Março, estreia a comédia romântica "O Amor é Lindo Porque Sim", de Vicente Alves do Ó (“Florbela“). O filme foi produzido pela distribuidora NOS, que tem apostado em produção nacional, e sem apoios financeiros do Instituto do Cinema e do Audiovisual ICA, enquanto o realizador procurava financiamento para outro filme dedicado ao poeta Al Berto, que será rodado ainda este ano. O elenco é assegurado por jovens da ACT- Escola de Atores, onde Vicente Alves do Ó é professor.

Depois da estreia no Fórum do Festival de Berlim, chega às salas "Posto Avançado do Progresso" de Hugo Vieira da Silva. É um filme adaptado de "O Coração das Trevas", um conto de Joseph Conrad sobre colonizadores europeus no Congo que sonham fazer fortuna em África através do negócio do marfim. Estreia dia 17 de março.



Uma semana mais tarde, a 24 de Março, é a vez de conhecermos a segunda longa metragem de João Nicolau, sobre as peripécias da adolescência. A história de "John From" desenrola-se em Telheiras, bairro lisboeta onde o realizador cresceu, e pela primeira vez na carreira do cineasta, vai ter uma rapariga como protagonista.


"Cartas de Guerra" é a mais recente longa metragem de Ivo M. Ferreira, a partir das cartas escritas pelo jovem médico António Lobo Antunes, à mulher grávida, durante a guerra colonial. Estreará em Portugal no segundo semestre do ano depois da exibição na seleção oficial do Festival de Berlim.


O realizador Luís Felipe Rocha não estreia um filme desde "A Outra Margem", em 2007. Agora, regressa novamente com uma história passada nos Açores onde filmou "Adeus Pai". A ilha do Pico, serve de cenário para o filme "Cinzento e Negro", que cruza quatro personagens (dois homens e duas mulheres), com as regras da tragédia grega e um saco cheio de dinheiro. A estreia está prevista para o mês de abril.



A primavera deverá trazer mais uma longa metragem de Rodrigo Areias, um cineasta que se tem desdobrado em vários trabalhos através da produtora Bando à Parte. "Ornamento e Crime" é uma incursão pelo cinema noir, filmado a preto e branco, partindo da cidade de Guimarães e do filme anterior de Rodrigo Areias, um documentário sobre o arquitecto Fernando Távora.

O novo filme de João Pedro Rodrigues, "O Ornitólogo", estará pronto antes do Verão, e poderá ser aposta para os festivais de Cannes, Locarno ou Veneza.

O realizador, que sonhou ser ornitólogo, assume que se trata de um filme mais pessoal, sobre a história de um homem solitário e a viagem que se propõe fazer pelas margens do rio Douro. João Pedro Rodrigues inspirou-se na figura mitológica de Santo António e concretizou a ambição antiga de fugir da cidade para filmar em cenário de natureza.

Partindo do interesse manifestado pelo actor Nuno Lopes em representar um boxeur, o realizador Marco Martins começou, em 2011, a investigar o mundo do boxe, que considera ser praticamente um subgénero de cinema.

O resultado da investigação, é o filme "São Jorge", em torno de um praticante de boxe chamado para fazer trabalhos enquanto segurança privado ou cobrador de dívidas.

É também este ano, que se completa a trilogia de Leonel Vieira das novas versões dos clássicos do cinema português. Depois de "O Pátio das Cantigas" e "O Leão da Estrela", só falta estrear a "A Canção de Lisboa", o único dos três realizado por Pedro Varela. O filme deve chegar às salas no Verão.

O ano cinematográfico português começou em janeiro com a estreia de "Jogo de Damas”, a primeira longa metragem de Patrícia Sequeira, com um elenco feminino (Maria João Luís, Rita Blanco, Ana Padrão, Filomena Belo, Ana Nave) numa história centrada sobre a amizade.

Entretanto já estrearam o documentário "Quatro", onde João Botelho acompanha quatro artistas plásticos contemporâneos, e "Lisbon Revisited", filme em 3D de Edgar Pêra, sobre Lisboa e os escritos de Fernando Pessoa.

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cinema Português