Da Turquia, com amor

Distinguido com o Urso de Ouro do Festival de Berlim de 2010, "Mel" é um belo exemplo de um universo — o cinema turco — que tão mal conhecemos.

Da Turquia, com amor
Bora Atlas, protagonista de "Mel": um pequeno grande actor
Crítica de
Subscrição das suas críticas
145
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Da Turquia, com amor
Mel A pacata vida de um rapaz e da sua família é ameaçada quando o pai não regressa do seu trabalho de recolha de mel na floresta.
Artigo recomendado:
Da Turquia, com amor
Mais Cinema
Turquia, 2008: na intimidade Um belo e desencantado melodrama com assinatura do mais internacional dos autores turcos: Nuri Bilge Ceylan
Cinemax Rádio:
Outros Áudios
Crítica "Mel"

Yusuf (interpretado pelo talentoso Bora Atlas) é um rapazinho que vive com os pais, nos confins do Mar Negro — a sua dificuldade de expressão torna-o algo marginal no dia a dia da escola; ao mesmo tempo, o pai inicia-o na delicada arte de tratar das colmeias e é, de facto, o único com quem consegue estabelecer um diálogo regular.

Este brevíssimo resumo do filme "Mel" poderá a judar-nos a compreender a sua especificidade, mas também o seu tocante universalismo. Esta é, afinal, uma história de um mundo remoto, quer em termos geográficos, quer nas suas relações familiares e sociais; ao mesmo tempo, a odisseia de Yusuf possui todas as componentes de uma pequena epopeia sobre os mistérios do amor e os laços (ou as barreiras) entre crianças e adultos.

Realizado por Semih Kaplanoglu (nascido em Izmir, em 1963), "Mel" é um exemplo solto de um cinema turco cujos criadores tão mal conhecemos — lembremos, por exemplo, o nome de Nuri Bilge Ceylan ("Climas", "Três Macacos") como um dos que já teve divulgação no nosso mercado. Mas a sua singularidade estética, a meio caminho entre o despojamento documental e a subtil elaboração narrativa, permite-nos pressentir a vitalidade de todo um universo criativo.

Distinguido com o Urso de Ouro do Festival de Berlim de 2010, "Mel" é também um objecto que desmente a visão banal, por vezes paternalista, das cinematografias "exógenas". É pena que um filme destes não possa ter a visibilidade (comercial) de muitos produtos infinitamente medíocres — em todo o caso, saúde-se a sua estreia, evitando pelo menos a condenação automática ao "directo-para-DVD".

Crítica de João Lopes
publicado 02:47 - 28 março '11

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes