Estreia  

Dinheiro & política: relações perversas

Washington, durante a presidência de George W. Bush: "O Dinheiro dos Outros" observa, com sarcasmo, os jogos de bastidores dos "lobbies" da economia e da política.

Dinheiro & política: relações perversas
Kevin Spacey: já vimos actores, por muito menos, serem nomeados para um Óscar
Crítica de
Subscrição das suas críticas
125
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Dinheiro & política: relações perversas
Casino Jack - O Dinheiro dos Outros O filme põe a nu as aventuras e os excessos de Jack Abramoff, protagonista de uma série de escândalos políticos. Ajudado pelo seu sócio Michael Scanlon, Jack usa a sua influência sobre alguns dos homens mais poderosos do mundo, com o objectivo de criar um império pessoal de riqueza e influência.
Cinemax Rádio:
Outros Áudios
Critica " CASINO JACK "

Provavelmente, não podemos deixar de sentir que "O Dinheiro dos Outros" (título original: "Casino Jack") fica aquém das potencialidades do seu próprio tema. Em todo o caso, convenhamos que não é todos os dias que vemos um actor como Kevin Spacey exprimindo a notável versatilidade dos seus recursos; em boa verdade, já vimos actores serem nomeados para Óscares por muito menos...

O certo é que "O Dinheiro dos Outros" não está na corrida dos Óscares e, nesta altura, corre o risco de passar despercebido. George Hickenlooper tem alguma dificuldade em conferir um estilo equilibrado à sua realização, mas isso não lhe retira o mérito de ter feito um testemunho, muito sarcástico, de um tempo, afinal, recentíssimo: a presidência de George W. Bush.

Na personagem de uma figura dos "lobbies" de Washington, Spacey surge como alguém que, afinal de contas, apenas existe em função das quantidades de dinheiro (imensas!!!) que põe a circular. O filme expõe, de forma muito directa, as relações perversas entre política e economia, nessa medida possuindo uma inevitável e perturbante actualidade temática.

E mesmo com resultados apenas medianos, "O Dinheiro dos Outros" é mais um objecto que contraria a ideia feita, mal feita, de que o cinema americano se define por uma relação sistemática com os efeitos especiais ou as referências da banda desenhada. Trata-se de olhar em volta e reflectir o nosso aqui e agora.

Crítica de João Lopes actualizado às 11:39 - 04 fevereiro '11
publicado 01:29 - 04 fevereiro '11

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes