Estreia  

Drew Barrymore, realizadora de filmes

Drew Barrymore estreia-se na realização com um retrato de um desporto insólito, o "roller derby": "Sobre Rodas" sabe combinar o impulso realista com as regras do melodrama familiar.

Drew Barrymore, realizadora de filmes
Drew Barrymore, Ellen Page e Kristen Wiig: na arena do "roller derby"
Crítica de
Subscrição das suas críticas
135
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Drew Barrymore, realizadora de filmes
Sobre Rodas Bliss é uma adolescente desenquadrada do mundo em que vive, numa pequena cidade do interior onde nada acontece. Tudo muda quando descobre uma modalidade desportiva pouco convencional, o roller derby, desporto que consiste em corridas de patins numa pista oval "indoor" em que o objectivo é derrubar a equipa adversária. O roller derby conhecido como uma desporto rápido, duro e violento, fará com ...
Artigo recomendado:
Drew Barrymore, realizadora de filmes
Cinema Norte-americano
Jason Reitman ou o novo realismo
do cinema americano
Dois anos depois de "Juno", Jason Reitman propõe "Nas Nuvens", um misto de retrato económico e desconcertante análise psicológica

Lembram-se da pequenita Drew Barrymore, em "E.T." (1982), de Steven Spielberg? Pois bem, passaram-se quase trinta anos e ela é uma actriz madura e... realizadora.

"Sobre Rodas" (título original: "Whip It") marca a sua estreia na longa-metragem de ficção, retratando o mundo agitado dos campeonatos de roller derby, um desporto insólito que combina a corrida de patins com a energia física do futebol americano.

Acima de tudo, Drew Barrymore (que também interpreta um pequeno papel) consegue mostrar que é possível tratar um fenómeno muito peculiar da cultura popular made in USA, não de forma pitoresca, mas tratando-o através das matrizes clássicas do melodrama familiar: esta é, afinal, a história de Bliss Cavender (interpretada pela excelente Ellen Page) e da sua dificuldade em convencer os pais (Marcia Gay Harden e Daniel Stern) da dignidade da sua escolha.

"Sobre Rodas" fica mesmo como um caso modelar de uma produção americana capaz de existir muito para além do mero fogo de artifício "tecnológico". Trata-se, afinal, de manter um certo impulso realista que, sem menosprezar as virtualidades do espectáculo, nos devolve uma parcela de um país que está muito longe de se esgotar nos clichés das "grandes metrópoles".

Para utilizarmos uma expressão consagrada, deparamos aqui com gentes e histórias da América profunda.

Crítica de João Lopes
publicado 19:17 - 01 abril '11

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes