Elogio do filme histórico

Como recordar a Batalha do Buçaco (1810) e os seus efeitos na vida da população portuguesa? Com "Linhas de Wellington", a realizadora Valeria Sarmiento propõe um belo regresso à tradição do cinema histórico.

Elogio do filme histórico
John Malkovich (ao centro) na personagem de Wellington: filmar o colectivo sem esquecer o individual
Crítica de
Subscrição das suas críticas
145
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Elogio do filme histórico
Linhas de Wellington Em 27 de Setembro de 1810, as tropas francesas comandadas pelo marechal Massena, são derrotadas na Serra do Buçaco pelo exército anglo-português do general Wellington. Apesar da vitória, portugueses e ingleses retiram-se a marchas forçadas diante do inimigo, numericamente superior, com o objectivo de o atrair a Torres Vedras, onde Wellington fez construir linhas fortificadas dificilmente ...
Artigo recomendado:
Elogio do filme histórico
Cinema Português
Raoul Ruiz desvenda "mistérios de Lisboa":
"gosto dos folhetins do Século XIX..."
O romance de Camilo Castelo Branco vai transformar-se em filme e série de televisão, mas o realizador chileno Raoul Ruiz confessa que não ...

Depois do impacto (nacional e internacional) de "Mistérios de Lisboa", de Raul Ruiz, poderia pensar-se que "Linhas de Wellington" surgisse como uma espécie de continuação do estilo do primeiro. Sabíamos, é certo, que Ruiz não pôde desenvolver o projecto, tendo falecido (a 19 de Agosto de 2011) sem o poder consolidar. Mas sabíamos também que Valeria Sarmiento, sua mulher e colaboradora, tinha sido convidada pelo produtor Paulo Branco para dirigir o filme...

Claro que podemos desfrutar o filme sem sequer conhecer tais atribulações. Em todo o caso, creio que vale a pena recordá-las para deixar, apenas, um paradoxal reconhecimento. De facto, Sarmiento teve a sensatez de perceber que aquilo que estava em jogo não era, de modo algum, fazer uma "cópia" mais ou menos fiel do estilo cinematográfico do marido: o que importava era construir o genuíno filme histórico que a memória das invasões napoleónicas em Portugal justificava.

Como fazer, então, o fresco histórico desse decisivo ano de 1810 em que o exército anglo-português, comandado pelo general Wellington (John Malkovich), derrotou no Buçaco as tropas francesas do marechal Massena (Melvil Poupaud)? Acima de tudo, como revisitar a complexidade desse momento emblemático e, em particular, o seu efeito brutal na vida da população em geral?

Pois bem, a realização de Sarmiento enraíza-se numa crença muito simples (obviamente sustentada a partir do minucioso argumento de Carlos Saboga): a de que a tradição do cinema histórico merece ser recuperada. Mas não no sentido "decorativista" que, muitas vezes, televisão e cinema deram às chamadas reconstituições históricas; antes para perscrutar os grandes movimentos colectivos e, no seu interior, as singularidades dos destinos individuais.

Não por acaso, "Linhas de Wellington" é um objecto que confere especial atenção ao seu elenco, num surpreendente cruzamento de nacionalidades. Encontramos, assim, além dos já citados, nomes como Nuno Lopes, Soraia Chaves, Marisa Paredes, Adriano Luz ou Catherine Deneuve, por assim dizer reflectindo a nostalgia de um cinema-espectáculo cuja idade de ouro há muito passou. Esta saborosa condição "fora de moda" apenas reforça o acontecimento que é este filme.

Crítica de João Lopes actualizado às 23:31 - 07 outubro '12
publicado 23:28 - 07 outubro '12

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes