O arrependimento de Kechiche
Léa Seydoux, Abdelatiffe Kechiche e Adèle Exarchopoulos: beijos e abraços em Cannes.

Cinema Europeu  

O arrependimento de Kechiche

Foi o filme sensação da última edição do festival de Cannes. Mas depois de ter festejado a Palma de Ouro, o tunisino Abdellatif Kechiche acha que seria melhor se "La vie d’Adèle Chapitres 1 et 2" não chegasse às salas de cinema.

Trailer/Cartaz/Sinopse:
 O arrependimento de Kechiche
A Vida de Adèle: capítulos 1 e 2 Aos 15 anos, Adèle tem duas certezas: é uma menina, e uma menina sai com os meninos. Mas no dia em que vê o cabelo azul de Emma, na praça principal, ela sente que sua vida vai mudar. Sozinha com seus problemas de adolescente, ela transforma o olhar sobre si mesmo e o modo como os outros olham para ele. Graças ao seu amor por Emma, ​​ela amadurece enquanto mulher e adulta. Mas Adèle ...
Artigo recomendado:
O arrependimento de Kechiche
Cannes, dia 8: LA VIE D'ADÈLE, Abdellatif Kechiche
O realismo segundo Kechiche O nosso bem conhecido realizador de "O Segredo de um Cuscuz", regressa com um filme admirável sobre o amor de duas mulheres: "La Vie ...

O cineasta tunisiano Abdellatif Kechiche confessa, numa entrevista ao site francês Télérama, que se arrepende de ter feito a longa-metragem "La Vie D'Adèle...". "O filme não deveria sair. Ele é muito sujo".

Depois do festejo em Cannes, em maio passado, onde a Palma de Ouro a consagrar uma obra brava, o realizador prepara-se para a apresentação pública do filme - estreia em França dia 9 de outubro e em Portugal a 28 de novembro - parecendo antecipar algumas leituras desajustadas.

Kechiche admite que ganhar que Palma de Ouro só lhe trouxe um "breve momento de felicidade".  E acrescenta: "Logo de seguida senti-me humilhado, uma rejeição da minha pessoa. Vivo como se estivesse sob uma maldição."

Após "O Segredo de um Cuscuz" (2007) e "Vénus Negra" (2010), Kechiche rodou "La Vie D'Adéle" adaptando a novela gráfica "Le Bleu est une Couleur Chaude", de Julie Maroh, onde acompanha o amadurecimento sentimental e sexual da adolescente Adèle (Adèle Exarchopoulos) durante  o seu relacionamento com Emma, a rapariga de cabelos azuis (Léa Sey­doux).

Em Cannes, a estreia do filme foi aplaudida de pé. Mas tornou-se numa obra controversa devido a cenas de sexo reais, entre as atrizes Léa Seydoux e Adèle Exarchopoulos, nomeadamente uma extensa cena sexualmente explicíta que foi rodada durante dez dias. Para o cineasta, o sexo real impede que o espectador assista ao filme "com o coração limpo e com um olhar atento".

"Eles [o público] vão dizer, 'será que este homem não abusou dessas atrizes? Será que elas também não gostaram [de fazer sexo] e não querem falar?'", desabafou.

As queixas das atrizes
Mas as atrizes falam e isso parece contribuir para o arrependimento do realizador. As primeiras declações após o festival referiam "embaraço" por ver no grande ecrã o que tinham feito na "intimidade" do plateau.

Com o passar dos meses foram revelando mais desconforto. "Kechiche é um génio, mas torturado", disse Adèle Exarchopoulos ao Daily Beast remetendo para uma cena de confronto fisíco do filme: "Ela [Léa Sey­doux] estava-me a bater tantas vezes, e [Kéchiche] gritava: Bate-lhe! Bate-lhe outra vez!". A atriz sublinha o sofrimento da cena, salientando que método do realizador cria "uma armadilha de violência física e emocional"

No Festival de Cinema de Toronto, no início de setembro, Adèle afirmou que o cineasta pediu "confiança cega" às duas. "Ele disse que tínhamos de confiar nele e dar muito de nós. Ele estava fazendo um filme sobre paixão, então ele queria cenas de sexo, mas sem coreografia - cenas de sexo especiais".

Numa outra entrevista, à Folha de São Paulo, a atriz Léa Seydoux afirmou ter se sentido "explorada" pelo realizador, devido à maneira como ele conduzia as filmagens. Em Cannes, Léa emocionou-se na conferência de imprensa do festival, dizendo que tudo que os espectadores viram foi vivido pelas atrizes.

Kechiche já rebateu acusando Léa Seydoux de "não estar a medir as consequências desastrosas das suas palavras". Na entrevista à Télérama o realizador considera que  "as suas declarações são piores do que cuspir na sopa, são uma falta de respeito por uma profissão que considero sagrada. Se realmente viveu o que conta, então porque foi a Cannes chorar, agradecer, passar dias a experimentar vestidos e jóias? Ela tem a profissão de atriz ou de artista de gala?"

  • O arrependimento de Kechiche
    Cannes
    "La Vie d`Adèle" triunfa em Cannes
    O júri da 66ª edição do Festival de Cannes distinguiu com a Palma de Ouro o filme "La Vie d'Adèle", de Abdellatif Kechiche.
  • O arrependimento de Kechiche
    Cannes 2013
    O bravo palmarés de Steven Spielberg
    O júri do Festival de Cannes consagrou um filme sem tabus sexuais. E Spielberg aproveitou para revelar a sua posição sobre o casamento ...
por
publicado 20:08 - 27 setembro '13

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cinema Europeu