Estreia  

O filme solitário de Jafar Panahi

Condenado pelos tribunais do Irão, Jafar Panahi ressurge com um filme de título insólito: "Isto Não É um Filme". Ou como a defesa da liberdade de expressão está na ordem no dia.

O filme solitário de Jafar Panahi
Jafar Panahi: um cineasta que não desiste de filmar
Crítica de
Subscrição das suas críticas
145
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 O filme solitário de Jafar Panahi
Isto Não É Um Filme ... ou quando a censura se transforma em arte. Jafar Panahi, realizador iraniano, foi preso pela primeira vez em junho de 2009, por apoiar um candidato oposicionista às presidenciais. Em maio de 2010, foi novamente detido e encarcerado numa prisão em Teerão, de onde acabou por sair mediante o pagamento de fiança. Em dezembro do mesmo ano, foi condenado a 6 anos de prisão e 20 sem filmar ou sair ...
Artigo recomendado:
O filme solitário de Jafar Panahi
"Isto Não é Um Filme", de Jafar Panahi e Mojtaba Mirtahmasb
Como Jafar Panahi (não) está em Cannes Chama-se "Isto Não É um Filme" e testemunha a situação de vida do iraniano Jafar Panahi, condenado pela justiça do seu país, impedido de ...

A passagem de "Isto Não É um Filme" no último Festival de Cannes teve tanto de perplexidade como de emoção: condenado a seis anos de prisão (e a vinte de interdição de filmar), o cineasta iraniano Jafar Panahi filmava-se na sua própria casa, em Teerão, na expectativa de desenvolvimento de um processo nos tribunais que, escusado será dizê-lo, alterou por completo a sua existência.

Distinguido com o Leão de Ouro de Veneza/2000, com o filme "O Círculo", Panahi propõe-se, assim, deixar a marca de alguém que não desiste da sua vontade de criação e do desejo de continuar a olhar o mundo à sua volta. Com a colaboração do seu amigo Mojbata Mirtahmasb, Panahi filma a própria impossibilidade de sair à rua, explorando até ao limite a possibilidade de a sua casa funcionar como uma câmara de eco da sua situação.

"Isto Não É um Filme" funciona, assim, como uma espécie de desafio aos limites do próprio olhar documental: por um lado, dá-nos a ver um homem no seu quotidiano, na solidão de sua casa, usando telemóvel e Internet para manter os laços com o exterior; por outro lado, elabora um retrato que tem tanto de tocante e humano como de simbólico e, enfim, eminentemente político.

Apoiado pela comunidade cinematográfica internacional, em especial dos dois lados do Atlântico, Panahi é, hoje em dia, mais do que um notável cineasta: é também uma bandeira viva da defesa dos direitos humanos e da liberdade de expressão. A estreia de "Isto Não É um Filme" constitui, por isso, um acontecimento fundamental no mercado português (completado pelo lançamento de um dos seus filmes de ficção, "Fora de Jogo", datado de 2006).

Crítica de João Lopes
publicado 04:23 - 03 novembro '11

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes