Estreia  

Retrato de família (em português)

Com "Sangue do Meu Sangue", João Canijo propõe um realismo visceralmente português, enraizado num notável e subtil trabalho com os actores (e, em particular, com as actrizes).

Retrato de família (em português)
Rafael Morais, Anabela Moreira, Cleia Almeida e Rita Blanco: Lisboa, século XXI
Crítica de
Subscrição das suas críticas
155
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Retrato de família (em português)
Sangue do Meu Sangue Márcia mora com a irmã, Ivete, num bairro camarário dos arredores de Lisboa. Juntas, criaram os filhos de Márcia: Cláudia, que estuda enfermagem e é caixa num supermercado, e Joca, que se tornou num pequeno delinquente. Um dia, o quotidiano da família é abalado. Joca tentou enganar o traficante para quem trabalhava e é apanhado; Cláudia apresenta à mãe o novo namorado que é seu professor e muito ...

Retrato íntimo, pose familiar: "Sangue do meu Sangue" é um filme sobre os laços mais carnais, e também mais violentos, que a familiaridade pode envolver. Como se fosse uma revisitação da tragédia grega, mas com cenários muito particulares: Lisboa, século XXI.

Não é simples, de facto, encontrar no nosso contexto audiovisual esta depuração e, sobretudo, este grau de exigência na abordagem de uma realidade social muito concreta: a vida de um "bairro social" e as convulsões de uma família atravessada por tensões que fazem ricochete nas personagens exteriores, regressando com multiplicada violência. Em boa verdade, sabemos que este universo permanece ocupado pelos lugares-comuns da telenovela, afinal o modelo de ficção a que, nosso país, foi conferido um poder avassalador.

Ao realizar "Sangue do Meu Sangue", João Canijo aposta, antes de tudo o mais, num realismo visceral que nasce da observação metódica do quotidiano e também de uma laboriosa relação com os actores e, sobretudo, as actrizes: Rita Blanco, Cleia Almeida e Anabela Moreira destacam-se numa teia de afectos em que o feminino é, em última instância, o lugar de todas as verdades.

Estamos perante uma das mais admiráveis proezas do recente cinema português, alicerçada numa energia criativa que se enraiza, afinal, na paixão pela dimensão humana (com todas as contradições que tal dimensão pode envolver).

Daí a importância do lançamento simultâneo, em DVD, de "Trabalho de Actriz, Trabalho de Actor": é um documento para vermos e compreendermos como cada actor/actriz evoluiu em direcção à sua personagem, ou como a personagem o convoca e, num certo sentido, ocupa.

Crítica de João Lopes actualizado às 00:06 - 05 outubro '11
publicado 23:55 - 04 outubro '11

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes