Estreias  

Rever o mundo através da pintura

Julian Schnabel, um pintor, filma outro pintor: o seu filme "À Porta da Eternidade" organiza-se como uma viagem através dos quadros e, mais do que isso, da visão de Van Gogh. Tudo centrado na composição de Willem Dafoe, nomeado para o Oscar de melhor actor.

Rever o mundo através da pintura
Willem Dafoe como Van Gogh — nomeado para o Oscar de melhor actor
Crítica de
Subscrição das suas críticas
145
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Rever o mundo através da pintura
À Porta da Eternidade Desconsiderado e desprezado pelos seus colegas artistas e todos quantos o rodeiam, mas sempre crente que pintar é a sua vida, Vincent parte de Paris, cidade cinzenta, rumo a sul (Arles), onde o sol dita as paisagens. Através da sua pintura acredita conseguir criar uma nova visão, mostrar o mundo como o vê. A amizade com Paul Gaugin, o também pintor e seu amigo próximo, e o amor incondicional de ...
Artigo recomendado:
Rever o mundo através da pintura
DVD Memória
A VIDA APAIXONADA DE VAN GOGH (1956) Vincent Van Gogh tem sido uma personagem várias vezes abordada pelo cinema — entre as muitas variações dramáticas e formais que a sua ...

Sobre Vincent van Gogh (1853-1890), podemos dizer que é uma personagem eminentemente cinematográfica. O cruzamento do génio criativo com a dimensão trágica da sua existência confere-lhe um especialíssimo apelo dramático. Em 2017, por exemplo, redescobrimo-lo mesmo no insólito "A Paixão de Van Gogh", singular exercício de animação produzido por entidades britânicas e holandesas.

Através de "À Porta da Eternidade", Julian Schnabel (um pintor, hélas!) propõe uma aproximação mais clássica, até certo ponto biográfica. E convém sublinhar: até certo ponto. De facto, não se trata de fazer um inventário de peripécias "sugestivas", à maneira dos mais convencionais telefilmes, antes de partir da solidão primordial da personagem para (re)lançar uma ideia romântica da arte como ruptura de qualquer visão determinista ou moralista da experiência humana.

Nesta perspectiva, e para além das muitas diferenças que possamos enumerar, "À Porta da Eternidade" é um legítimo herdeiro de experiências tão extremas e fascinantes como "A Vida Apaixonada de Van Gogh" (1956), de Vincente Minnelli, ou "Van Gogh" (1991), de Maurice Pialat. Em Schnabel, como em Minnelli ou Pialat, manifesta-se uma obsessão muito particular — não exactamente mostrar como os quadros de Van Gogh dão a ver o mundo, antes como renegam as suas evidências, abrindo a hipótese de uma outra visão.

Há, assim, em "À Porta da Eternidade" um envolvimento narrativo que, embora preservando os sinais de algum realismo, aceita ser contaminado pelos silêncios, dores e fantasmas da sua personagem central. Neste sentido, estamos perante uma recriação muito física da experiência artística de Van Gogh. Dois factores são fundamentais para que tal aconteça: primeiro, a brilhante composição de Willem Dafoe (nomeado para o Oscar de melhor actor), doando-nos um Van Gogh de radical humanidade; depois, o prodigioso trabalho de direcção fotográfica de Benoît Delhomme, refazendo em matéria cinematográfica a densidade de formas e cores que o pintor nos legou. 

Crítica de João Lopes
publicado 19:24 - 31 janeiro '19

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes