Rodagem de Comboio Noturno Para Lisboa

Cinema Português  

Rodagem de "Comboio Noturno Para Lisboa"

Novo filme de Bille August, com Jeremy irons, está a ser filmado em Portugal.

A primeira grande produção internacional de cinema com o nome da capital portuguesa no título vai estrear no início do próximo ano e terá distribuição a nível mundial, foi hoje anunciado pela produtora Ana Costa.

A rodagem de "Comboio Noturno para Lisboa", dirigido pelo dinamarquês Bille August, decorre a partir de segunda-feira e prolonga-se pelas próximas oito semanas em locais da capital portuguesa, em Caxias (Oeiras) e em Palmela.

O investimento total será de oito milhões de euros, quatro milhões dos quais irão ser gastos em Lisboa, numa coprodução entre Portugal, Alemanha e Suíça, em cuja capital decorreram, ao longo de quatro dias, as únicas filmagens da obra fora de Portugal.

A produção do filme, que é a adaptação de um romance do escritor suíço Pascal Mercier, vai envolver uma equipa de 75 pessoas, na sua maioria portugueses, para contar a história de um professor de Latim de Berna que, nos anos 1960, chega a Lisboa para descobrir mais sobre Amadeu de Prado, médico-escritor e aristocrata português opositor ao regime ditatorial que então vigorava no país.

O principal papel está a cargo do ator inglês Jeremy Irons, que volta a trabalhar em Portugal, como recordou hoje no encontro com os jornalistas, 19 anos depois de ter estado no país para rodar "A Casa dos Espíritos", também dirigido por August e baseado no romance homónimo da chilena Isabel Allende.

Irons disse que se trata de uma "história de descoberta, mistério e aventura".

Os atores Nicolau Breyner e Beatriz Batarda são alguns do portugueses que também fazem parte do elenco, que conta ainda com a representação de Melanie Laurent (França), Jack Huston e Tom Courtenay (Reino Unido), August Diehl (Alemanha) e Bruno Ganz (Suiça), entre outros.

Ana Costa, da produtora Cinemate, disse que "Comboio Noturno para Lisboa" vai ser o filme que contará com o maior apoio financeiro do fundo europeu Eurimages, cujo valor não especificou.

Salientou também o investimento, no atual contexto de crise, que o filme vai trazer a Lisboa, onde injetará quatro milhões de euros durante o período das filmagens.

O Município lisboeta consta entre os patrocinadores da obra, tal como o Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA).

Já o Fundo de Investimento para o Cinema e Audiovisual (FICA) não deu qualquer contributo financeiro, apesar de ter subscrito um contrato nesse sentido, falha que Ana Costa atribuiu ao facto de aquela instituição estar "paralisada" desde 2008.

Esse investimento faria ainda mais sentido por o filme ter já assegurada a exibição no estrangeiro, a cargo da distribuidora alemã K5. Em Portugal esse papel será assumido pela Lusomundo.

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cinema Português