Estreia  

Um retrato enigmático do Irão

Mais uma revelação do cinema iraniano: Rafi Pitts surge como argumentista, realizador e actor principal de "Ali - O Caçador", uma história dramática que começa com uma vingança.

Um retrato enigmático do Irão
Rafi Pitts como actor principal do seu próprio filme: um enigma policial no Irão dos nossos dias
Crítica de
Subscrição das suas críticas
125
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Um retrato enigmático do Irão
Ali - O Caçador Num ato de vingança, um jovem mata dois polícias ao acaso. Foge para a floresta onde é detido por outros dois agentes. O tio está rodeado por árvores, perdidos num labirinto onde as linhas entre caçador e presa se tornam indistintas.

Para onde vai o cinema iraniano? Ou antes: de que fala o cinema iraniano?

A estreia de "Ali - O Caçador" (título revelado na competição do Festival de Berlim de 2010) só em parte nos permite responder a tais interrogações. Isto porque compreendemos que o trabalho de autores como Abbas Kiarostami, Jafar Panahi ou Ashgar Farahdi não basta para esgotar a diversidade da produção do Irão; ao mesmo tempo, não podemos deixar de perguntar que sugestões simbólicas aqui ecoam. Ou ainda: que está para além das aparências de uma história mais ou menos policial?...

No centro de "O Caçador" está, precisamente, a personagem do título: um homem, relativamente novo, que comete um crime, aparentemente por vingança contra dois polícias... Preso por outros dois polícias, vai viver um drama em que, de forma desconcertante, a nitidez dos papéis de cada um (perseguidor ou perseguido) se vai baralhando, até criar uma teia quase abstracta de eventos.

Podemos supor que se trata de acumular "sugestões" sobre determinadas relações de força no interior da sociedade iraniana. Ou ainda de propor uma parábola sobre o uso da força e as ambivalências inerentes a qualquer relação de poder... E se é verdade que todo esse aparato nunca se cimenta de forma consistente, não é menos verdade que há, pelo menos, em "O Caçador" uma apreciável capacidade de criar um ambiente de mistério e perturbação.

Importa registar que se trata de um empreendimento eminentemente individual: Rafi Pitts, o realizador, é também autor do argumento e intérprete principal. Curiosamente, ele parece estar a experimentar também a possibilidade de uma carreira internacional, uma vez que o vamos poder ver (num pequeno papel) em "Argo", novo filme dirigido e protagonizado por Ben Affleck.

Crítica de João Lopes
publicado 01:46 - 23 setembro '12

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes