Viagem épica e aventureira

Primeira longa-metragem de João Nicolau é irreverente e imponderável.

Viagem épica e aventureira
"Venham visitar a nossa caravela" - acção a bordo da Vera Cruz
Subscrição das suas críticas
135
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Viagem épica e aventureira
A Espada e a Rosa Manuel despede-se das rotinas da sua vida lisboeta e embarca numa caravela portuguesa do séc. XV governada pelas leis da pirataria. Uma traição a bordo desencadeia uma série de acontecimentos terríveis que o protagonista atravessa sem beliscar os seus princípios morais.
Cinemax Rádio:
Outros Áudios
José Paulo Alcobia entrevista João Nicolau e destaca o filme "A Espada e a Rosa"

Manuel recebe à porta de casa o cobrador de impostos e convence-o de forma cantada que não tem dinheiro para os pagar. É o retrato do país, onde os sonhos foram pragmaticamente substituídos pela dura realidade economicista da voracidade do sistema, à procura de finanças para alimentar o bichinho gordo da máquina burocrática do Estado.

Logo a seguir Manuel, a personagem central de "A Espada e a Rosa", empreende uma viagem numa caravela portuguesa do século XV, regida pelas leis da pirataria, com uma perigosa matéria a bordo – "o plutex" -, capaz de motivar a capacidade de falar várias línguas ao mesmo tempo e também tornar invisíveis os seus marinheiros. Ponto de partida para uma revolta de consequências imprevisíveis.

Neste filme de João Nicolau que abraça a irreverência de João César Monteiro e a imponderabilidade de Wes Anderson, há lugar para varias utopias que relevam do espírito aventureiro e conquistador da alma viva dos nossos antepassados. Que inexplicavelmente fomos perdendo pela acção corrosiva da passagem do tempo.

Por vezes parece hermético, autobiográfico, repleto de referências indecifráveis ao olhar de críticos descodificadores de narrativas preparadas como lições de literacia diletante.

Mas parece-me que a melhor forma de absorver "A Espada e a Rosa" será libertarmo-nos dos preconceitos e seguir despreocupadamente a viagem de conteúdo épico que enforma o título do filme "A Espada e a Rosa".

Crítica de José Paulo Alcobia
publicado 23:33 - 15 abril '11

Recomendamos: Veja mais Críticas de José Paulo Alcobia