Música com Pés e Cabeça
com Rui Vargas
2014-10-14 16:58:19

Hipótese de nos apaixonarmos depende da capacidade de fantasiar e de saber ver o outro.

Hipótese de nos apaixonarmos depende da capacidade de fantasiar e de saber ver o outro.
"Bom dia Raquel e Dr,
Tenho 25 anos, estudo fora de Portugal mas ainda assim, acompanho o vosso podcast todos os dias.
Ainda não sei se estou a escrever-vos para tentar ouvir a minha voz interior ou se é para ouvir a vossa opinião mas quero falar sobre um problema (?) que tenho vindo a sentir: Nunca namorei com ninguém mas já me envolvi com homens e também com algumas mulheres mas sinto sempre que só quero estar com essas pessoas naquela noite. Parece que não tenho paciência para andar a trocar mensagens no dia seguinte ou a fazer planos com essa pessoa após aquela noite. Como se aquela pessoa só tivesse tido interesse naquele momento... Os meus amigos dizem que sou fria, que é impossível não sentir alguma paixão, que sou insensível e que tenho um "complexo" com compromissos porque fujo deles. Eu nego-lhes isso mas a verdade é que dei por mim a chegar a duas conclusões:
1) Nunca me senti muito atraída por nenhuma das pessoas com quem me envolvi a ponto de vir para casa pensar num "futuro" em conjunto;
2) Por outro lado... Ultimamente sinto que gostava de ter alguém ao meu lado com quem pudesse partilhar a minha vida e não fosse só sexo.

(Agora depois de ter escrito tudo, reparei que se calhar o meu problema é uma coisa tão simples como nunca me ter apaixonado mas isso também é estranho com esta idade...) Parabéns pelo programa!"

Audio





por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-10-14 16:54:12

Amor ou obsessão? Truque para aprender a amar...

Amor ou obsessão? Truque para aprender a amar...
"Olá,

Eu sou vossa fã;) Sendo breve, podem falar um pouco mais sobre dependências amorosas? É que o Dr. Quintino falou que pessoas que se dizem apaixonadas por vários meses é sinal de que a paixão não virou amor e que se não foram capazes de cortar o afecto....se torna dependência. Estou numa relação há 3anos e mal começamos a namorar, passado 10meses já estávamos a viver juntos...a paixão era intensa....Eu sinto que estive apaixonada por alguns meses, mas também porque nos encontrávamos uma vez por semana ou de 15 em 15 dias porque eu estudava noutra cidade na altura. Às vezes penso que talvez esta relação não tenha virado amor porque o Dr.Quintino diz que amor não é sofrimento e esta relação sempre teve bastante ciùme mútuo e inseguranças, discussões acesas por esses motivos. Eu senti que amei muito e que virou amor, mas talvez esse amor se tenha tornado obcessivo ou numa depedência....porque o meu namorado com o tempo começou a agredir-me psicológicamente e fisicamente e eu continuava na relação, aceitando o que não devia aceitar....tudo porque eu tinha tanto sentimento por ele que faria tudo por a relação. E também porque o meu namorado já foi violentado na infância e sentia que ele precisava de ajuda. O meu namorado pediu-me ajuda, disse que queria ter acompanhamento psicológico e que não conseguia controlar a angustia das suas inseguranças, de me ouvir falar em terminar o relacionamento e por isso tornava-se agressivo por cobardia. Ele também é vosso ouvinte e disse-me que queria aprender a amar, que queria evoluir e superar traumas. Eu queria muito ser feliz com ele, mas fico triste porque o Dr. quintino diz que se não vira amor no inicio nunca mais vira....não há possibilidade de aprendermos a amar?O amor não se constrói? É tarde demais para aprender a amar para nós dois, ou um amor que se torna dependência pode evoluir para amor ainda?"

Audio




por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-10-10 16:28:51

Hard Swinger ou amante autorizado?

Hard Swinger ou amante autorizado?
"Olá Raquel e Quintino
Parabéns pelo vosso programa

Somos casados á 15 anos, conhecemo-nos á 19, temos um casamento fantástico,4 filhos uma aventura. Sempre fomos muito curiosos, mente aberta, nunca tínhamos tido experiências com outras pessoas, perdemos a virgindade um com o outro. No final do ano passado depois de muito conversar, decidimos dar um passo para a partilha, para novas experiências. Somos hard swingers desde essa altura, foi fantástico, ate q o casal com quem nos encontrávamos com alguma frequência teve uma crise de ciúmes e tiveram receio de se apaixonar...deixamo-nos de nos encontrar, na boa, como vocês dizem, qdo 1 não quer 2 não fazem..neste caso quando 2 não querem 4 não fazem!!! Siga...fiquei com o bichinho no corpo..isto afinal ate é bom...ter outras experiências com "autorização" Lindoooo..Fantastico!!

Até q..um dia em conversa no face..marquei um encontro com um amigo nosso a dois..com a "autorização assinada" . Estamos oficialmente numa relação aberta...em q a única condição é nunca esconder nada um do outro...e assim foi durante estes últimos 6 meses, eu a encontrar-me com este "amigo" e o meu marido sem "ninguém", nunca sentiu necessidade, mas dava-me toda a liberdade para isso, que orgulho. A intensidade começou a ser muita...permanente contacto, face, telefonemas, encontros..TUDO..TUDO..esta semana descambou!!

O nosso amigo q é divorciado e não está envolvido com ninguém, segundo ele PERDEU O CONTROLO  da "relação" que na realidade não existe, apaixonou se.

Eu estava nas nuvens...mimos de um lado, mimos do outro, sexo fantástico com os 2 .

Na minha opinião não há volta a dar, quando experimentamos um determinado registo é difícil voltar atrás....sexo fabuloso sem envolvimento é possível?"

Audio



por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-10-10 16:24:55

O Narcísico

O Narcísico
"2ª questão

O narcisismo e o sexo ser cada vez mais uma forma de performance, de desempenho produtivo, de consumismo em que "o outro" é objectualizado e instrumentalizado... há cada vez mais pessoas contra o casamento, contra o compromisso em geral (até a nível profissional) ou que evitam a todo o custo relações mais fixas, mais intimas, mais profundas... e julgo que é por isso que surgem estas redes sociais, onde, como disse, tb eu estou, porque a verdade é que por todo o lado há imensas pessoas que vivem um vazio consigo mesmas, e o medo profundo da entrega ou da partilha da verdadeira intimidade (que envolve ver o outro como ele é), talvez porque no fundo não se consideram dignos de ser amados, não sei... o sexo acaba por ser um veículo de fuga a esse vazio, uma distracção momentânea, ou o outro feito troféu... quando afinal, o sexo é algo maravilhoso, diria mesmo sagrado, belo, imenso, sublime... esta banalização do sexo é estranha para mim... e (acho!) faz com que muitas pessoas não cresçam a nível sexual, porque para essas pessoa o sexo é performance, desempenho, corrida ao próprio orgasmo, em vez de expressão pura de amor, de prazer, de afecto, de desejo pelo outro de vontade de ser juntos!!!  Enquanto mãe, e como não há educação sexual na escola dos meus filhos, gostava de - no momento certo - passar esta consciência aos meus filhos... mas sem ser moralista... a mesma pergunta: como é que isto se faz? como os oriento sem os castrar nas suas descobertas?

Raquel, desculpa a extensão deste email... mas a verdade é que continuava a escrever mais e mais coisas que gostava de dialogar convosco... mas por agora chega! Beijos aos dois! Continuem perfeitos como são"

Audio


por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-10-10 16:20:43

Proteção durante o sexo oral

Proteção durante o sexo oral
"Querida Raquel e querido Quintino,
Que bom que é escrever-vos finalmente! Quero muito expressar o meu reconhecimento do vosso trabalho e o meu afecto por vocês <3 pelo vosso programa maravilhoso, importantíssimo e delicioso que oiço com tanto agrado e dou a conhecer aos meus filhos! Parabéns mesmo!!!!!! Obrigada por existirem :)

1ª questão

Os riscos da vida sexual ocasional (sexo oral, beijos, ejaculação sobre zonas do corpo)... Acabei de ter um relacionamento muito breve com uma pessoa que conheci no Tinder (conhecem? é um software de telemóvel para conhecer pessoas); mal o vi fiquei muito apaixonada, mesmo muito, o que não é normal em mim porque tal sensação de paixão só se equipara ao que senti pelo pai dos meus filhos, sou muito selectiva, mas já tive muitos namorados (nem sei quantos) ao longo da minha vida (tenho 38, fui casada 8 anos e fora disso vou tendo os meus relacionamentos, uns mais sérios, outros mais breves); bom, vi este rapaz, da minha idade e cada bocadinho que ia conhecendo dele ia alimentando esta minha paixão, sexualmente tb... até eu ter descoberto que ele adicionou no facebook 74 amigas nas últimas 3 semanas (nenhum amigo) e ter concluído que não havia o espaço para nós que eu achava que existia... falámos e foi tudo sempre muito claro, excepto a minha consciência da proporção da sua necessidade de conquista, que me levou de imediato a acabar este breve mas muito intenso relacionamento; usámos preservativo, mas muitas vezes ele ejaculou sobre mim, fizemos sexo oral um ao outro muitas vezes... no vosso programa falam muito de sexo oral e da importância de experimentar vários parceiros para podermos escolher verdadeiramente, mas tal é complicado porque ou é um parceiro fixo, fiel, que fez testes conosco de HIV e das outras doenças sexualmente transmissíveis, ou então, por segurança, o sexo deve restringir-se a uns beijinhos leves e à penetração com preservativo, o que é muito difícil para mim porque me condiciona na expressão da minha intimidade com o outro e no fluir do desejo ao longo do acto sexual.... como é que isto se faz? só podemos fazer sexo oral e receber sexo oral de namorados à séria, depois de termos feito testes? quais os verdadeiros riscos do sexo oral desprotegido, dos beijos, dos toques íntimos, da ejacular sobre a pele... de tudo o que não é penetração com preservativo???!!! Acho muito muito importante que isto seja muito claro para as pessoas, principalmente com a proliferação destes softwares que facilitam brutalmente o sexo ocasional."

Audio



por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-10-10 16:15:36

O sexo aprende-se não é inato!

O sexo aprende-se não é inato!
"Viva Raquel Bulha e Quintino Aires.
O vosso programa é único, muito bem feito e simples, como se querem os bons programas, que tem ainda como bónus, fazer serviço público. Muito obrigado por darem algum sentido aos meus impostos. ;)
Escrevo-vos este email, no seguimento do episódio da ansiedade das relações ocasionais. Falou-se dos homens, de forma geral claro, procuram a satisfação sexual feito apenas de penetração. No meu caso particular, eu amo os preliminares, os jogos antes do envolvimento corporal, do agarrar, do tocar em todo o corpo, todo isso que nos faz elevar todos os sentidos, antes de chegar à penetração. Aliás, toda essa expectativa, o brincar com "entra não entra" traz sempre uma magia a algo que facilmente se torna monótono e quase que uma "obrigação". Qual afinal o meu problema? A minha companheira, parece viver bem só com penetração e sem grande expectativas de preliminares. Levando a maior parte das vezes, o sexo como uma obrigação caseira, como quem tem de fazer compras ou levar o lixo lá fora. O que me leva a uma grande frustração. Procuro sempre coisas novas, e informo-me muito sobre como dar a volta à questão. Procuro fazer com que a lida da casa seja feita muito por mim, para aliviar a carga de trabalho para o lado dela, tomei o vosso conselho de me cuidar mais para me tornar mais apetecível (como ter a barba feita mais vezes, cheirar bem, estar em bom estado na hora de nos reunirmos na cama). Mas ao fim de algum tempo, a minha frustração continua, e eu sei que há algo que eu possa fazer, falta saber o que. Ao ler este email, parece ser a minha companheira que está a fazer tudo mal, mas nisto dos relacionamentos, não há culpa só de um lado. Gostava de ter alguma perspectiva diferente, ou saber uma abordagem nova a ter.
Espero que o email não esteja muito confuso. Perdoe-me o Quintino por não lhe atribuir elogios, mas gostava apenas de dizer à Raquel, que é uma mulher muito bonita. Cumprimentos aos dois, e desejo muitas felicidades a vós e ao programa."

Audio



por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-10-07 16:30:25

Relacionamento "fabuloso" sem a típica penetração e erecção.

Relacionamento fabuloso sem a típica penetração e erecção.
"Olá aos dois, mas que mestres "descomplicadores"! Já vos oiço faz tempo e adoro. Tenho 40 anos, sou solteira, já passei por diversas experiências amorosas, desde 10 anos de um relacionamento monótono, a amizades coloridas e divertidas, a pensar que acabou, pois o que sinto mesmo falta é mesmo estar mais equilibrada e não a andar em constantes carrosséis amorosos. Mas ultimamente tenho vindo a sentir alguma indiferença pelos homens. Talvez, porque perco a paciência com a mentalidade quadrada e queixosa. Mas o que venho aqui relatar, é a uma experiência recentemente com quem também comentei com um grande amigo meu. Estava a caminho de uma conferencia na europa do leste, quando no avião senta-se ao meu lado um homem cuja a primeira impressão foi "bolas parece um terrorista". Apercebo-me que ele fala espanhol e que vai para a mesma conferencia. 20mt antes de aterrarmos no aeroporto, pergunta-me com um sorriso enorme se sou portuguesa. Eu estava com um livro na mão, não era difícil ... Respondo-lhe que sim e aproveito para dizer-lhe que vamos trabalhar no mesmo local. Apresentamo-nos e falamos mais um pouco (Quem somos, de onde vimos, o que fazemos, etc). Por fim, pergunta-me onde fica o meu hotel e eu faço-lhe a mesma pergunta, até aqui nada de anormal. Era a primeira que vinha à europa, tinha um inglês macarrónico e a como a bagagem ficou retida no transbordo, decidi ajudá-lo. Acabamos por apanhar o mesmo táxi para o centro da cidade.

No dia seguinte encontramo-nos na conferencia. Como estávamos sozinhos decidimos jantamos no evento e depois fomos dar uma volta pelo centro histórico e até que ele lança-me um convite para beber uma cerveja. Disse-lhe que não dava jeito, pois tinha de preparar um trabalho, mas dei-lhe o meu número de telemóvel. Já no hotel, começamos a trocar sms e combinamos jantar no dia seguinte. Aproveitei e convidei-o para assistir à minha apresentação e assim foi, lá estava ele. Depois apercebi-me que tinha uma mensagem de parabéns pelo trabalho e afins. Era a noite em que íamos jantar mas, desencontramo-nos. Voltamos a trocar uns sms. Meu deus, estava a começar a ficar interessada pelo "terrorista". Ele que nem faz o meu estilo (Será que os homens têm de fazer?); Não o conheço de lado nenhum (Adoro aventuras!) e adormeço a pensar nele (Normal ...).

Depois do jantar e de uma bela conversa descontraída entre inglês, português e espanhol, vamos a um bar. Ambos pedimos bebida e nem 10mt encosto a minha cabeça no ombro dele. Poucos minutos depois, estávamos aos beijos e abraços como se tivemos 20 anos, que loucura. Mais 2 shots de para cada um e continuamos no bar no mesmo cenário. Começo a sentir calor, a suar e vontade de ir mais longe. Arrisco e meto-lhe as mãos entre as pernas, mas sem tocar nos órgãos genitais. Ele sussurra ao  ouvido algo que não percebo, pega no meu braço, saímos do bar e abraça-me. Não lhe faço perguntas, mas apercebo-me que estaríamos a caminho do hotel dele.

Já deitados na cama, os beijos intensos acentuam - Pelo corpo inteiro com massagens e afins. Fizemos sexo oral um ao outro e começamos a sentir vontade de penetração mas ele estava quase a atingir o orgasmo e ao colocar o preservativo, ejacula de imediato. Disse-me que eu era "muy caliente" e eu respondi-lhe com um piropo divertido 're una bomba". Estávamos completamente em êxtase ... Dormimos umas horas, agarrados tipo concha até que voltamos a acordar. Regressamos aos beijos intensos, carinhos, troca de galhardetes amorosos e mais uma vez ele ao tentar colocar o preservativo e desta vez com a minha ajuda, perde a ereção. Não perguntei o que se passava, tem 30 anos e aparentava muito pouca experiência sexual. Voltamos a dormir mais umas horas. Entretanto, já com a mala feita, banho tomado e pronto para ir para o aeroporto, lança-se em cima de mim, dizendo que quer muito penetrar. Após várias tentativas da minha parte para manter o pénis ereto (Sexo oral e outras estimulações), tenho de por fim pois o relógio indica que é hora de ele ir apanhar o avião. Acabei por não fazer perguntas e nem sequer perguntar-lhe o que se passou (Tenho curiosidade em saber ... talvez um dia lhe pergunte). Seguimos no táxi até ao meu hotel, abraçados e aos beijos. Despedimo-nos dizendo um ao outro, que voltaríamos a cruzar um dia ... (As redes sociais estão aí).

Resumindo, foi uma experiência avassaladora e que encheu-me as medidas. Fiquei a pensar no colombiano uns dias e até a "bater mal" pois senti o impacto da química entre os dois, através de outras formas de prazer igualmente intensas. Sempre tive óptimas experiências, mas esta foi do espaço!"

Audio



por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-10-07 16:24:34

A parceira não consegue atingir o orgasmo (glande do clitóris pequena)

A parceira não consegue atingir o orgasmo (glande do clitóris pequena)
"Antes de mais os meus sinceros parabéns pelo excelente serviço público que fazem. Não sou um ouvinte assíduo mas sempre que vos apanho na rádio, aumento sempre o volume para poder ouvir bem tudo o que dizem. E pela primeira vez venho pedir a opinião e ajuda do Dr. Quintino

Tenho 39 anos e comecei há cerca de 2 meses uma relação com uma rapariga de 36 anos. É uma relação aberta, não é um namoro, ou seja, estamos bem juntos mas não temos a obrigação de nos mantermos fieis um ao outro nem de contar algo no caso de nos envolvermos com outra pessoa. Apenas conto isto para enquadrar devidamente o caso. Damo-nos bem e sexualmente as coisas têm corrido muito bem mas há um senão. Ainda não consegui que ela atingisse o orgasmo. Ela já me disse que é o normal, que no princípio de uma relação tem sempre imensa dificuldade em conseguir, que não o consegue com a penetração e apenas com a masturbação ou sexo oral. Mesmo na masturbação, quando está sozinha, nem sempre consegue atingi-lo.

Antes de nos envolvermos pela primeira vez pessoalmente, tivemos algumas conversas "quentes" por telemóvel e em algumas dessas conversas ela conseguiu atingir mas eu nessa altura apercebi-me logo da enorme dificuldade dela em o conseguir. Ela diz que está habituada, que é o normal e para não me incomodar porque tem imenso prazer comigo, mesmo não atingindo o orgasmo mas para mim fico sempre com a sensação que falta alguma coisa.

Gostava de a poder ajudar e não sei como...

Existem 2 questões relacionadas com isto que eu não sei até que ponto influenciam a dificuldade dela. Uma delas é por vezes a sensação que tenho que ela se distrai facilmente ou que não está devidamente concentrada. Dito assim pode parecer parvo mas é o que sinto. Por exemplo quando lhe estou a fazer sexo oral, peço-lhe muitas vezes ajuda para me dizer como devo fazer, como lhe agrada mais. Sei que já estive bem perto de o conseguir mas depois parece que o momento passa e às vezes ela acaba por se começar a rir ou a falar de algo e é como se perdesse a concentração na situação. Não sei até que ponto esta situação interfere. A outra é a nível físico. Estou habituado a facilmente ver  e sentir o clitoris das companheiras que já tive mas no caso dela tenho alguma dificuldade. Parece minúsculo. Terá isto alguma influência? Ou não faz isto sentido nenhum? Tenho alguma experiência e de facto esta é a primeira vez que tenho esta dificuldade e como não entendo o sexo como algo para eu ter prazer mas sim para ambos termos, gostava imenso de poder resolver esta questão. Por último gostava de lhes pedir se me podiam dizer em que dia e emissão é que vão responder a esta questão, pois nem sempre oiço e assim mais facilmente ouviria a resposta. Obrigado pela atenção e continuação do excelente trabalho!
Abraços e beijos"

Audio


por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-10-07 16:19:56

Arte de Jamie McCartney - molde de Vaginas (Vulvas)

Arte de Jamie McCartney - molde de Vaginas (Vulvas)
"Olá Raquel & Quintino S.A.  :)
Gosto muito de vos ouvir, fazem um trabalho excelente. No outro dia ouvia-os a dizer que as mulheres pelo facto de não verem muitas vaginas acham sempre que tem problemas com as delas, recorrendo por vezes à cirurgia plástica sem ser preciso, mas hoje já é possível ver muitas vaginas e perceber que de facto nem todas são iguais:

Um artista ou tarado :) não sei, deu-se ao trabalho de fazer o molde de 400 vaginas:
e se fizer outras 400 com certeza que encontraria outras diferentes...Se calhar esta obra de arte já é do vosso conhecimento mas como há sempre novas ouvintes que ainda não tem conhecimento... e pronto por hoje é isto  parabéns pelo programa e espero que continuem por muitos anos."


Audio


por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-10-07 16:14:31

Viver com alguém "amigo", não amante.

Viver com alguém amigo, não amante.
"Olá Raquel e Quintino,
Adoro o vosso programa, é dos mais inovadores, nesta área, que tenho ouvido.Estou a escrever-vos pois gostaria de ouvir os vossos comentários ao meu dilema. Sou casada há 12 anos com uma pessoa honesta, fiel, amiga, no entanto a nossa relação nunca teve grandes demonstrações de paixão, a não ser no principio. Agora aos 35 anos surgiu uma pessoa que me desperta o meu lado mais romântico, sonhador, aventureiro, etc. Por enquanto só trocámos uns beijos, mas essa pessoa quer ir mais longe, mas o meu lado racional tem contrariado essa enorme vontade mútua. Não sei o que fazer porque gosto dos dois, apesar de forma diferente.

Um abraço"

Audio


por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-10-07 16:07:18

Partilha de exemplo do que se passou no último ano.

Partilha de exemplo do que se passou no último ano.
"Boa noite Raquel e Dr. Quintino. Quero agradecer-vos o "serviço público" que de 2ª a 6ª feira fazem e que tanto eu e o meu Marido apreciamos. Sempre que a minha Família (somos 5 irmãos, todos casados e com filhos - 23 pessoas dos 3 aos 60 anos) se encontra -e isso acontece regular e mensalmente, as conversas passam sempre pelo "sexo"; naturalmente que me sinto "confortável" em emitir opiniões nos diversos temas discutidos, opiniões 'aditivadas' com o que vamos (eu o meu Marido) escutando no vosso programa. MUITO OBRIGADA!
Ao vosso pedido na emissão de 1-Agosto, a minha opinião é a seguinte:
- tenho 45 anos e o marido 52; estamos casados há 23 anos, após ano e meio de namoro.
- Já sofri na pele, a situação de ir para a cama sozinha sem marido, por ele ficar no computador a trabalhar, ver mails ou no facebook. Situação essa, que me desagradava imenso, inclusivamente, só me acompanhava quando fazíamos sexo. Há cerca de 2 anos, conversamos acerca deste pormenor e decidimos fechar ambas as contas do facebook e a dedicarmo-nos diariamente um ao outro. Sabemos que o casamento é como um jardim. Todos os dias temos que cuidar das plantas. Actualmente, deitamo-nos juntos e achamos que isso é bom para a nossa relação.Como o 'tamanho' também conta, hoje não escrevo mais. Bom descanso e óptimo regresso à nossa companhia, pelas 17h25!"

Audio



por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-10-07 16:00:42

Teste do Beijo entre fumador e não fumadora

Teste do Beijo entre fumador e não fumadora
"Queridos Amigos

Obrigado pela V. rubrica!!  Quantos e quantos temas debatidos por V. , são depois colocados por mim  "em cima da mesa",  e discutidos ( mais ou menos abertamente, porque isto de falar de sexo, para algumas pessoas , não é fácil )   durante a hora de almoço aqui da empresa. ];D

O Dr Quintino já falou imenso do teste do beijo mas a minha duvida é :

Essa teoria também se aplica  a beijos entre  fumador e não fumadora  ?? Passo a explicar : Quando conheci o meu Marido ele fumava e eu também .. Passados alguns anos a viver  juntos, ele continua a fumar e eu deixei o vicio ... A partir do momento em que me livrei do tabaco , comecei a respirar melhor e a sentir melhor os cheiros bons e maus ...

Infelizmente, os beijos começaram a ser dificeis para mim , não consigo abstrair-me do cheiro e do sabor  a tabaco ;( Já falei com ele  imensas vezes, pedi-lhe para ter ainda mais cuidado com a higiene oral, mas mesmo assim é dificil não sentir o cheiro .... Já pensei em voltar a fumar outra vez para poder recuperar a sensação maravilhosa que era beijá-lo .  Tendo em conta o teste do beijo , que conclusão devo tirar ? Que já não gosto dele, e por isso não me consigo abstrair do cheiro?"

Audio




por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-10-07 15:58:22

Brinquedo sexual - jaula para o pénis

Brinquedo sexual - jaula para o pénis
"Olá Raquel e Quintino. Sou ouvinte da hora do sexo há vários anos, mas só agora vos escrevo. Descobri há pouco tempo num vídeo pornográfico um brinquedo sexual que me deixou intrigado, trata-se de uma jaula para o pénis (envio imagem em anexo) uma espécie de jaula feita de metal e que me dá ideia de impossibilitar ao homem ter uma ereção completa. A mulher no vídeo estimulava o pénis através das "grades" parecendo o homem ter bastante prazer nisso mesmo antes da ejaculação. Queria que o Dr. Quintino elaborasse sobre este "brinquedo" sexual, se é seguro para o homem e o seu órgão sexual e que tipo de prazer se pode tirar dele e como se deve usar em segurança."


Audio


por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-10-07 15:52:51

Ansiedade em relações sexuais ocasionais

Ansiedade em relações sexuais ocasionais
"Eu tenho um problema nao consigo ter relacoes sexuais ocasionais pois fico muito nervoso e ansioso .. Queria a sua ajuda queria saber se existe algum truque para me acalmar ou se haverá algo que eu possa fazer ... Obrigado"

Audio


por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-10-07 15:49:31

Casamento não é sacrifício! "Um pseudo casamento mata"

Casamento não é sacrifício! Um pseudo casamento mata
"Olá Raquel Olá Quintino

Além de algumas vezes não estar de acordo com a vossa opinião adoro vosso programa, e sempre que tenho oportunidade estou a ouvir ou as 11 ou às 5. O Quintino diz ser um defensor do casamento,também eu, mas ao mínimo problema as pessoas devem-se separar e serem felizes.

Ok sei que a vida é rápida, etc etc.... Mas o que é uma vida sem altos e baixos?!  O grande problema está que as pessoas não namoram, têm alguém que fazem sexo e encontram se quando há vontade.

A sociedade quase que obriga a viver com aquela pessoa que nos apaixonamos na adolescência.  Penso que as pessoas quando casam estão a dar um passo muito acima de coabitar com alguém.Vai surgir amor, discussão, desentendimento, talvez filhos, muitas dívidas em conjunto, mas isso pode ser superado com vontade de viver partilhar amar a nossa parceira.  Quem não quer superar isto e ser " feliz", só porque não consegue psicologicamente ter na cabeça os problemas que um casamento pode acarretar, aí sim acho que as pessoas devem namorar e nada mais.

Se as pessoas abandonam um casamento só porque existem problemas financeiros e daí com o stress o sexo diminuir a discussão aumentar ,  então nem sabem depois o que é um custo da separação :) Sim ser feliz é a base de tudo,  se olharmos para uma criança com menos de 5 anos do mais baixo escalão social como foi meu caso, aí sim aprendemos a ser felizes, quando partilhamos, quando dividimos, quando amamos mesmo sem ter nada. Obrigado Raquel bem haja Quintino."

Audio



por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-10-07 15:45:50

Depois de um divórcio voltar a namorar.

Depois de um divórcio voltar a namorar.
"Olá Raquel e Quintino,

É a primeira vez que vos escrevo, embora oiça o vosso programa há muito tempo. Obrigada por nos esclarecerem tantas dúvidas :)

Sou mulher, tenho 29 anos e saí há quase um ano de uma relação de 11 anos. De repente, dei por mim solteira novamente e, depois de um período de recuperação, comecei a ficar curiosa sobre o que anda aí. A questão é: houve tanta coisa que mudou nestes últimos anos que já não sei o que fazer para encontrar homens, um companheiro, um possível 'amigo colorido'...

Conhecer pessoas novas já não é a mesma coisa que há uns anos. Quando tinha 18 anos era fácil ir para a noite e falar com estranhos, mas hoje em dia parece que estou cada vez mais consciente e tenho vergonha de simplesmente abordar alguém que não conheço. As minhas amigas já me apresentaram uma 'solução milagrosa' para este problema, que é inscrever-me num site de encontros, uma até me falou de um novo conceito divertido onde a mulher controla tudo. Mas não sei se estou à vontade de procurar pessoas na Net. Por outro lado, sei que há cada vez mais à-vontade das pessoas em utilizar estas tecnologias.

Tenho ouvido falar de encontros às cegas e até de boutiques de encontros online... Aliás, uma amiga minha há uns anos encontrou num destes sites aquele que viria a ser seu marido: casaram-se há 2 meses!!

Inscrever-me num destes sites seria uma boa forma de eu voltar a ter confiança para abordar homens?"


Audio


por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-10-07 15:39:52

Volta porque ela deixa.

Volta porque ela deixa.
"Olá,
Sinceramente já não sei o que isto é, será uma relação ou não? Eu e ele tínhamos uma relação infeliz. Eramos colegas de trabalho, começamos a falar com mais frequência e o envolvimento chegou passados uns meses, apesar de querermos negar o que nos "unia". Ele tem menos 8 anos, sem perspetivas de vida, ficou sem o trabalho, sem a casa onde vivia. Eu sou mae, e uma vida organizada e com responsabilidades acrescidas, bem como situações ainda pendentes, como partilha de casas e custodia para resolver. Estamos envolvidos há um ano, não lhe chamamos relação, pois não existe esse compromisso, mas o que é fato é que praticamente estamos juntos todos os dias, todos os fins de semana. Fica na minha casa, começa a crescer um laço de amizade entre ele e o meu filho, apesar de ainda ser pequeno.

Ele bebe bastante e consome drogas "pesadas" com frequência. Já tive tentada, mas não sinto que o va fazer, não é para mim. Ele sim, é adito. E ultimamente quer sempre mais e mais, querendo ele que eu va com ele a sítios que já lhe disse que não vou mais (porque já fui L). Custa-me vê-lo sem perspetivas, sem objetivos. Tem 2 lados, o bom, em que consegue ser o melhor do mundo tem tido atitudes louváveis para comigo, mas tem o contrario, tem sido por vezes a pior pessoa que já conheci para mim, em que chega ao ponto de me faltar ao respeito.

Já nos tentámos afastar varias vezes, mas quebramos o pacto, pois torna-se difícil estar longe um do outro. Ainda não entendi o que quer de mim, passo a explicar. Eu deixei a relação que tinha, ficou para trás. Tenho consciência de que acabou. Ele pelo contrario, ao longo deste ano, por algumas vezes voltou atras e envolveu-se com a sua ex, diz-me que não consegue explicar a situação, ela gostava que voltassem, mas ele não consegue. Diz-me que ficou destroçado por todos os sonhos se terem ido embora, ser pai, casar, mas o que é fato é que é a segunda vez que isto lhe acontece, em 2010 ia casar e abdicou disso e envolveu-se com outra rapariga. E voltou novamente para a anterior, começaram a viver juntos e depois aconteceu comigo e agora aparentemente acabou de "vez".

Há cerca de um mês aconteceu o mesmo, ele voltou atras, teve com ela 2 semanas, eu fico sossegada, não forço nada, e ele desesperado, volta quase que pedindo piedade para falar, estar com ele, pois diz que não aguenta estar longe de mim (mas ele é que se afasta, sem qualquer tipo de explicação). Ele sabe que isto é errado e compreende que eu não o queira assim, diz-me que não presta e que eu não mereço. Tenho consciência que não e que não pretendo que o meu filho viva isto comigo. Mas tenho vivido num sufoco, sempre numa ansiedade, abdicando muitas vezes de cumprir com as minhas responsabilidades para estar com ele, em saídas, o que ultimamente se têm traduzido em chatices. Já cheguei a dizer que sou apenas uma amiga das saídas, mas ele nega, mas quando digo para irmos fazer um programa dito "normal", como ir ao cinema, diz que não quer.

Ultimamente tenho-o confrontado com a realidade, pois sempre lhe perguntei o que isto era, ele simplesmente responde que é bom, mas no entanto passado um ano, creio que será mais que isso, supostamente está na hora de ser ou não ser. Ele não consegue assumir e eu desta forma também não, apesar de que o que na realidade existe é isso mesmo, mesmo sem o ser. Conheço e estou com os amigos dele, alguns amigos meus também sabem da sua existência, mas não passa disto. Irei viver sempre assim, na escuridão, escondida? Não posso e não consigo."

Gostava de perceber o porque de ele não se decidir, sei que se há duvidas não há duvidas, mas porque volta sempre para mim, ou porque tem ou sente necessidade de estar com ela? Sabe que estou sempre do seu lado, bem como a outra (em que eu sei que ele faz isto, mas creio que ela não sabe que ele o faz) é essa a verdade, ,odeia que o ignore e quando assim é, quase que "rasteja"...não gostaria de viver esta agonia muito mais tempo, mas não me consigo "livrar" desta situação pois ...acho que gosto verdadeiramente dele...apesar de que não queria, pois sei que ele está numa fase que não é a melhor, nem para ele , nem para mim.

Ele é uma pessoa que diz que não consegue tomar decisões, e tenho visto que é verdade.

Foi um desabafo, adoro ouvi-vos falar, pena mesmo é ser pouco tempo de antena."

Audio






por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
2014-10-07 15:33:14

Vergonha do pénis

Vergonha do pénis
"Acabei de ouvir no V/ programa que a estética interessa! Também acho!! Talvez mais do que o tamanho! Mas... O que fazer quando se tem quase 30 anos de idade e ter VERGONHA do próprio pénis?
Torção do pénis, o que é? Além disso o frénulo (prepucial) parece ter sido "mexido"/operado em criança e agora é meio esquisito.
Existe algum tipo de tratamento/correção e/ou cirurgia? Já ouvi um urologista dizer que se "funciona" o melhor é não mexer..
Mas a nível psicológico não é bem assim.... (conhecer novas pessoas, etc.)
É um TRAUMA que "vai e vem" mas não desaparece!
Algum conselho Dr. Quintino?
Obrigado e OBRIGADO PELO SERVIÇO PÚBLICO PRESTADO!!"

Audio


por : Raquel Bulha

link deste artigo | comentar/ver comentários(0)
A Hora do Sexo MP3 2014-10-23
A Hora do Sexo MP3 2014-10-22
Este é o blogue do programa "A Hora do Sexo". Aqui encontras muitas das dúvidas relacionadas com a sexualidade, mas mais importante do que isso, os devidos esclarecimentos e respostas. Bem-Vindo!

Contactos:

sexo@rtp.pt
Raquel Bulha (raquel.bulha@rtp.pt)
Quintino Aires (quintino.horadosexo@gmail.com)

Facebook



Audios

Ouve a Gala do 1º Aniversário

Ouve a Gala do 2º Aniversário com os ouvintes

Ouve a Gala do 2º Aniversário com os políticos
"Cenas Cortadas"
Consulta

Diário da República (regime de aplicação da educação sexual em meio escolar)
        
DomSegTerQuaQuiSexSab
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031