Economia

Estratégia da Anona em andamento

Foram aprovados através do PRODERAM2020 investimentos na ordem dos 163 mil euros

Estratégia da Anona em andamento
Quase um ano depois da aprovação do Plano Estratégico da Anona em Conselho de Governo, os objetivos iniciais estão alcançados.

Recentemente foi aprovado o despacho que aprova o programa da ação de formação profissional específica sectorial em “Produção de Anona”. Trata-se de uma formação profissional que decorre do próprio Plano Estratégico e que dá ao agricultor, que se dedique ou venham a se dedicar a este cultivo, conhecimentos atualizados sobre as técnicas agronómicas mais indicadas ao melhor desenvolvimento das produções.

Após a formação, pretende-se que os profissionais sejam capazes de gerir, planear e coordenar as práticas agrícolas com uma eficiente racionalização dos fatores de produção, responsabilidade em relação à conservação do ambiente, segurança no trabalho e qualidade de produção aumentando a suas produções.

A par desta importante ação, já foram realizadas duas ações sobre práticas de poda abrangendo um total de 35 agricultores.

Não menos importante foi igualmente a aprovação de um único produto fitofarmacêutico que veio controlar a praga da cochonilha e da mosca da fruta na anoneira. Este primeiro ciclo de desenvolvimento fica terminado em novembro com a visita à região de William Schauff – Presidente da Associação Brasileira de Atemoia.

Face a esta evolução, Humberto Vasconcelos considera que o avanço dado a esta cultura está em parte relacionado com o esforço que tem sido feito a nível do apoio técnico nomeadamente em Santa Cruz, Machico e Santana. Segundo adiantou o secretário regional de Agricultura e Pescas foram aprovados através do PRODERAM2020 investimentos na ordem dos 163 mil euros respeitantes a esta cultura. “São indicadores importantes e que estão de acordo com as nossas expetativas. Sabemos que só teremos melhores produções se tivermos planos bem traçados e com objetivos concretos”.

Ao nível do apoio financeiro o POSEI 2017 irá conferir uma valorização acrescida à anona comparativamente a outras produções e também não estará sujeita a rateio ao contrário do que vinha acontecendo.

Um dos objetivos do Plano Estratégico passa por aumentar área de produção até 2020 e ao mesmo tempo aumentar a exportação das 70 para as 200 toneladas nos próximos 12 anos.