Atenas, Paris, Madrid e Cidade do México sem veículos a diesel até 2025

| Ambiente

O impacto ambiental da utilização do diesel tem vindo a ser estudado ao longo dos últimos anos
|

Os autarcas de quatro grandes cidades mundiais comprometem-se a promover o desenvolvimento sustentável, proibindo o trânsito de veículos a diesel até 2025.

O grupo C40 reuniu-se no México para definir novas medidas de combate às alterações climáticas. Os autarcas de Paris, Cidade do México, Atenas e Madrid estabeleceram como objetivo impedir a circulação de veículos movidos a gasóleo até 2025.
O incentivo ao uso de bicicletas será outra das medidas a implementar.

Seguindo o modelo de Tóquio, as cidades vão “implementar um plano audacioso – proibir progressivamente os veículos mais poluentes das estradas, ajudando os cidadãos com medidas de acompanhamento concretas”, avançou a Presidente da Câmara de Paris, Anne Hidalgo.

Para atingir a meta, os quatro autarcas comprometem-se “a fazer tudo o que estiver ao seu alcance para promover o uso de veículos elétricos, híbridos e de hidrogénios”.

Muitos dos planos delineados pelos autarcas já apresentaram resultados positivos. Em Barcelona, por exemplo, as bicicletas disponibilizadas ao público já reduziram as emissões de dióxido de carbono em mais de nove mil toneladas.
Dilemas do diesel

O impacto ambiental da utilização do diesel tem vindo a ser estudado ao longo dos últimos anos.

Numa primeira fase os governos mundiais promoveram o diesel como um dos combustíveis mais eficazes na redução das emissões de dióxido de carbono, responsáveis pelo aquecimento global.

No entanto, estudos sobre o impacto na qualidade do ar mostraram que este carburante contribui para doenças cardiovasculares e dificuldades respiratórias.

"A qualidade do ar que respiramos nas nossas cidades está diretamente ligada à luta contra as mudanças climáticas", enfatizou a presidente da Câmara de Madrid, Manuela Carmena.

Tópicos:

Atenas, Cidade do México, Combustível, Diesel, Gasóleo, Madrid, Paris,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.