Três atletas lusos correm maratona de Macau

| Atletismo

Três atletas portugueses vão correr em Portugal apadrinhados por Rosa Mota
|

Três portugueses correm a maratona de Macau no domingo.

Os portugueses Bruno Paixão, Vera Nunes e Joana Nunes vão correr no domingo a 35ª edição da maratona de Macau, prova em que estão inscritos 1.400 atletas.

Completam a delegação portuguesa Miguel Ângelo Ribeiro e Doroteia Peixoto, que vão fazer a meia-maratona.

Bruno Paixão, que chega a Macau com o recorde pessoal de 2:21:38, conseguido este ano em Badajoz, espera no domingo "fazer uma boa marca e entrar nos 20 melhores".

Já Joana e Vera Nunes têm como expetativa conseguir "um bom lugar e um bom resultado para representar Portugal".

O melhor tempo de Vera Nunes são 2:37:11, conseguido este ano em Milão e o de Joana Nunes são 2:50:23, alcançado em 2014, em Portugal.

No conjunto da maratona, da meia-maratona e da minimaratona de Macau deste ano estão inscritas dez mil pessoas de 46 países e regiões, anunciou hoje a organização.

Rosa Mota convidada


De novo na cidade para participar na Maratona Internacional de Macau está também a campeã olímpica portuguesa Rosa Mota, convidada pela organização.

Rosa Mota disse aos jornalistas que a maratona de Macau "está a crescer" e elogiou a forma como a cidade sabe receber os atletas.

Sobre a representação nacional, disse que Portugal "está sempre bem representado" e que os atletas estão "contentes" por estarem em Macau: "Isso para mim já é positivo", afirmou.

Rosa Mota, que correu a meia-maratona em Macau em 1988, logo a seguir à conquista da medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Seul, além de acompanhar os atletas, como habitualmente, vai também correr a minimaratona no domingo.

A informação mais vista

+ Em Foco

A RTP disponibiliza agora uma nova aplicação: apresenta as notícias do dia em texto, vídeo e áudio, alertas de última hora e as emissões da RTP3 e Antena 1.

Em dez anos, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem condenou o Estado 18 vezes em casos de liberdade de expressão.

    Londres é o grande centro financeiro para negócios internacionais e comércio da Europa e um dos principais centros de liderança da economia global. Corre o risco de ser desmantelada.

      É difícil eleger a ordem de importância dos assuntos que fizeram a agenda deste mês de Administração Trump, porque o novo presidente americano tem esse condão de transformar qualquer questão menor numa autêntica bomba atómica.