Filipe Vieira suspenso por 45 dias

| Benfica

Legenda da Imagem
|

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, foi suspenso por 45 dias, na sequência das declarações após a partida com o Sporting, da 11.ª jornada da Liga, informou hoje o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

De acordo com comunicado, o CD da FPF decidiu, na sequência de uma participação do Sporting, "sancionar o Sr. Luís Filipe Ferreira Vieira (Titular da Licença n. 1408), Presidente do Conselho de Administração da Sport Lisboa e Benfica - Futebol, SAD, com a pena de 45 (quarenta e cinco) dias de suspensão para o exercício das suas funções no âmbito das competições desportivas e multa de 2.500 euros".

Esta decisão é baseada na "prática das infrações disciplinares previstas e punidas pelos artigos 5., n. 2 - Deveres e obrigações gerais - e 109, n. 1 - Da Lesão da honra e reputação dirigente" do Regulamento Disciplinar da Liga de clubes, na sequência de afirmações proferidas no final do jogo Benfica - Sporting, da 11.ª jornada da Liga portuguesa, realizado a 26 de novembro de 2011.

O jogo entre "águias" e "leões" ficou marcado pela estreia da caixa de segurança do Estádio da Luz, incendiada no final por adeptos do Sporting.

Após o jogo, o Benfica acusou os dirigentes do Sporting por palavras e atos irresponsáveis, tendo o presidente "leonino", Godinho Lopes, dito que ocorreram graves incidentes no acesso aos balneários.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Filipe Vasconcelos Romão, comentador de assuntos internacionais, refere que o artigo 155 da Constituição Espanhola será aplicado sem que haja qualquer lei de enquadramento.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Em entrevista à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o ministro do Trabalho e da Segurança Social considera que a apresentação da moção de censura não vai trazer mudanças significativas.