"A criança que ri" de Carlos Alberto Torres Figueiredo vence Prémio Eugénio de Andrade

| Cultura

O livro de poesia "A criança que ri", de Carlos Alberto Torres Figueiredo, venceu a primeira edição do Prémio Eugénio de Andrade, uma iniciativa dos editores e livreiros Modo de Ler, foi hoje divulgado.

O Prémio, no valor de dez mil euros, e que inclui a publicação da obra, será entregue no próximo dia 19 de janeiro, data de aniversário do poeta Eugénio de Andrade, no Porto, em local a designar.

Ao prémio concorreram 50 originais, tendo-se "com facilidade" destacado "A criança que ri", pela "qualidade que levou o júri pensar tratar-se de um autor consagrado, pois todos os originais concorreram sob pseudónimo", disse à Lusa o presidente do júri, Luís Adriano Carlos, catedrático da Faculdade de Letras do Porto.

"O livro é o mundo visto a partir da loucura e inspira-se de certo modo em `O homem que ri` de Victor Hugo", disse Luís Adriano Carlos, que salientou à Lusa "o poder de composição e imaginação" de Carlos Alberto Figueiredo, morador em Rio de Mouro, Sintra.

O livro que são poemas em prosa, "trata a temática de uma existência esquizofrénica dentro de um hospício", referiu o catedrático de Literatura.

"[A obra] refere-se ao modo como uma criança que vive num mundo de loucura, encara a realidade quotidiana, as suas sínteses, os seus abismos, sendo ao mesmo tempo irónico", rematou.

Além de Luís Adriano Carlos, integraram o júri os escritores Inês Lourenço e José Manuel Neto, o poeta Jorge Sousa Braga, o jornalista Luís Miguel Queirós e Miguel Moura, em representação da família do autor de "As mãos e os frutos".

O Prémio contou com o apoio do BPI, da Rosto Editora e da família de Eugénio de Andrade.

Tópicos:

Adriano, Andrade, BPI, Eugénio Andrade, Victor,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista exclusiva à RTP, Le Pen conta como foi expulso do partido que fundou em 1972 pela própria filha, a atual candidata Presidencial.

A UE está ameaçada e tem de voltar à génese para se fortalecer e recuperar influência mundial. Ou arrisca-se a perder o comboio do desenvolvimento e a desmembrar-se em pouco tempo.

    Filhos de pais separados que ficam em guarda partilhada são "menos ansiosos e mais felizes" do que aqueles que ficam só com um deles.

    Estarão os nossos equipamentos comprometidos? O especialista em cibersegurança Pedro Queirós alerta para um problema "assustador".