"Calhabéus" e "Papa-migas", dois livros para os mais novos, sobre tradição e natureza

| Cultura

Duas crianças portuguesas, Laura e Sulivão, à descoberta da história, natureza e da tradição portuguesa, são as protagonistas de uma nova coleção de livros para os mais novos, iniciada por Nuno Neves e Susana Vilela, da editora Serrote.

"Calhabéus" e "Papa-migas" são os dois primeiros volumes de uma série que junta ficção e informação, colocando duas crianças à descoberta do país, neste caso, para aprender sobre a presença humana na pré-história e sobre os parques e reservas naturais.

"Não queríamos um guia, queríamos uma narrativa, aventuras para as personagens, uma sobre pedras [`Calhabéus`] e outra sobre a natureza [`Papa-migas`]", explicou Nuno Neves à agência Lusa.

Nuno Neves e Susana Vilela são os fundadores de Serrote, um projeto gráfico iniciado há dez anos para a produção de cadernos com recurso a tipografia antiga. Aos cadernos foram juntando a criação e publicação pontual de livros, com uma vertente visual demarcada e que, em alguns casos, mergulha na cultura e na tradição popular, como "Tra-los-montes", "Minho" e "Romanceiro tradicional".

Em "Calhabéus", os autores apresentam Laurinha, de nove anos, e Sulivão, de cinco, irmãos que estão a passar férias com a avó Rita Tirapicos, que mora numa casa de pedra. Ao longo da história, as duas crianças seguem o rasto de vários monumentos pré-históricos, como o Cromeleque dos Almendres (Évora) e a Anta do Tapadão (Portalegre), sempre acompanhados por um burro mirandês.

Em cada paragem, com pequenas peripécias pelo meio, são deixadas as coordenadas de cada um dos locais visitados, convidando os pequenos leitores a fazerem a mesma exploração.

O mesmo acontece com "Papa-migas", no qual os dois irmãos partem à procura do animal de estimação perdido dos avós, com referências a fauna e flora de parques naturais, como o da Serra da Estrela e o da ria Formosa.

Nuno Neves explicou que a intenção é que haja uma leitura conjunta da obra, entre pais e filhos, entre jovens e adultos, e uma aproximação à realidade.

Do ponto de vista textual, os autores acrescentaram regionalismos e palavras menos comuns ou menos usadas pelos mais novos, em particular dos que vivem nos centros urbanos. E também substituiram, por sinónimos, todas as palavras cuja grafia foi alterada com o novo acordo ortográfico.

As histórias são ilustradas por Susana Vilela, com desenho sobre fotografia digital, captada em várias viagens pelo país.

"Calhabéus", que retrata pedras, menires, antas e fragas pré-históricas, tem uma tonalidade acastanhada, enquanto "Papa-migas" foi feito em tons verde, remetendo para a natureza.

Nuno Neves e Susana Vilela referiram que têm espaço para vários volumes nesta coleção, uma vez que já traçaram a árvore geneológica da família de Laurinha e Sulivão, que inclui ascendência irlandesa.

"Há muitas ideias sobre Portugal ainda a explorar neste conceito de coleção, por exemplo, sobre a costa portuguesa e a comida", disse Susana Vilela.

Tópicos:

Anta, Cromeleque, Formosa, Laurinha, Neves, Serra, Serrote Calhabéus,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Por que razão não voltou o Homem ao satélite natural da Terra desde a década de 70 do século XX? Uma das explicações pode estar na poeira que cobre a superfície da Lua.