Clã estreiam-se como músicos/atores no palco do Teatro Carlos Alberto

| Cultura
Clã estreiam-se como músicos/atores no palco do Teatro Carlos Alberto

A ver: Clã estreiam-se como músicos/atores no palco do Teatro Carlos Alberto

Fã é um musical para toda a família, que está em cena no Teatro Carlos Alberto, no Porto, até 29 de Janeiro.
A produção do Teatro Nacional São João. Os Clã tocam ao vivo e Manuela Azevedo e companheiros assumem papeis que vão além de músicos em cima do palco.
"Esta relação tão estreita com o teatro é uma estreia para os Clã. Foi um desafio do Nuno Carinhas, que queria encenar uma peça para a infância", diz a vocalista. O resultado garante é um momento mágico e muito divertido.

E se um fantasminha, se apaixonasse por uma cantora em pânico que vai estrear-se no palco onde está a ensaiar? E se essa jovem promessa contasse com o apoio de uma estrela rock que passou pelos mesmos medos?

Fã - palavra pequenina com um grande entusiasmo dentro - ensaia um encontro fantástico entre a música e o teatro, entre as canções pop e a máquina imaginosa de um palco.

Fã não designa apenas o fanático de uma banda musical. Agora, é também a abreviatura de fantasma, essa criatura que gosta de teatros, do avesso dos cenários, e aí passa os dias a pregar partidas, a ensaiar assombrações.

Com canções dos Clã, guião de Regina Guimarães e encenação de Nuno Carinhas, a nova produção do Teatro Nacional de São João está em palco na sala do Carlos Alberto, no Porto.

Um espetáculo dedicado aos supernovos, mas que não causa urticária nem mortal aborrecimento a pais, parentes, educadores, vizinhos, padrinhos, madrinhas e demais companheiros.

Brincando com os nossos medos do escuro e as nossas descobertas de luz, Fã vai pôr-nos a "cantar/ escrever palavras no ar/ inventar frases de vento/ moradas de pensamento".

A informação mais vista

+ Em Foco

O primeiro registo de imagem de uma posse presidencial na América é de março de 1857, quando James Buchanan se tornou o 15.º Presidente.

    Milhões de pessoas, por todo o mundo. No dia seguinte à tomada de posse multiplicaram-se as manifestações contra Donald Trump. Os protestos aconteceram em pelo menos 60 países.

      Amir Ashour é o primeiro iraquiano a dar a cara pelos direitos gay no seu país. Em segurança na Suécia, revela à RTP episódios de tortura e de rejeição.

        Nos 60 anos da Gulbenkian, a RTP deu uma volta pelo museu da fundação e continua a mostrar as obras mais significativas.