Clã estreiam-se como músicos/atores no palco do Teatro Carlos Alberto

| Cultura
Clã estreiam-se como músicos/atores no palco do Teatro Carlos Alberto

A ver: Clã estreiam-se como músicos/atores no palco do Teatro Carlos Alberto

Fã é um musical para toda a família, que está em cena no Teatro Carlos Alberto, no Porto, até 29 de Janeiro.
A produção do Teatro Nacional São João. Os Clã tocam ao vivo e Manuela Azevedo e companheiros assumem papeis que vão além de músicos em cima do palco.
"Esta relação tão estreita com o teatro é uma estreia para os Clã. Foi um desafio do Nuno Carinhas, que queria encenar uma peça para a infância", diz a vocalista. O resultado garante é um momento mágico e muito divertido.

E se um fantasminha, se apaixonasse por uma cantora em pânico que vai estrear-se no palco onde está a ensaiar? E se essa jovem promessa contasse com o apoio de uma estrela rock que passou pelos mesmos medos?

Fã - palavra pequenina com um grande entusiasmo dentro - ensaia um encontro fantástico entre a música e o teatro, entre as canções pop e a máquina imaginosa de um palco.

Fã não designa apenas o fanático de uma banda musical. Agora, é também a abreviatura de fantasma, essa criatura que gosta de teatros, do avesso dos cenários, e aí passa os dias a pregar partidas, a ensaiar assombrações.

Com canções dos Clã, guião de Regina Guimarães e encenação de Nuno Carinhas, a nova produção do Teatro Nacional de São João está em palco na sala do Carlos Alberto, no Porto.

Um espetáculo dedicado aos supernovos, mas que não causa urticária nem mortal aborrecimento a pais, parentes, educadores, vizinhos, padrinhos, madrinhas e demais companheiros.

Brincando com os nossos medos do escuro e as nossas descobertas de luz, Fã vai pôr-nos a "cantar/ escrever palavras no ar/ inventar frases de vento/ moradas de pensamento".

A informação mais vista

+ Em Foco

Na Grande Entrevista da RTP, o ministro João Matos Fernandes lamentou que os problemas ambientais sejam muitas vezes menorizados.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.