Coliseu de Lisboa será a arena de um combate inédito de músicos portugueses

| Cultura

O Coliseu de Lisboa será o palco, na quinta-feira, de um combate musical, inédito, entre quatro equipas de músicos portugueses e, no final, o vencedor será escolhido pelo público.

No Coliseu estarão montados quatro palcos para o Red Bull Music Academy Culture Clash, que consiste na atuação de quatro equipas de artistas, que atuarão uns contra os outros. As equipas mais aplaudidas superam várias etapas até uma delas ser declarada vencedora.

Uma das equipas é "Club Atlas", liderada pelo músico e produtor Branko e que conta com Carlão, Riot e Kalaf, dos Buraka Som Sistema, e de Fred Ferreira e Pongolove. Outra é "Moullinex Live Machine", liderada pelo músico e produtor Luís Clara Gomes (Moullinex) e inclui Xinobi, Da Chick e The Legendary Tigerman.

Haverá ainda a equipa "Matilha", liderada por DJ Ride, com Jimmy P e os MGDRV, e o coletivo "Batida + Kambas e o Próprio Kota!", que fará a ponte entre Portugal e Angola com Batida, Bonga, DJ Satélite, Karlon e os bailarinos André Cabral, Gonçalo Cabral e Bernardino Tavares.

O Red Bull Music Academy Culture Clash já aconteceu noutras cidades, como Londres, Nova Iorque, Toronto e Milão, e é a primeira vez que chega a Lisboa.

A Red Bull Academy é uma estrutura internacional fundada em 1998, uma comunidade formada por produtores, músicos, DJ, pessoas ligadas à música eletrónica e contemporânea de todo o mundo, que se juntam anualmente numa cidade, para organizar `workshops`, laboratórios de música, encontros e atuações.

Tópicos:

André Cal Gonçalo Cal Bernardino Tavares, Carlão Riot Kalaf Buraka Som, Clara, DJ Ride, Iorque Toronto, Xinobi,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.