Design de Siza Vieira em chinês no ciber-espaço

| Cultura

A obra de design do arquiteto Siza Vieira legendada em chinês entrou, esta semana, no ciber-espaço, na primeira App (aplicação) sobre "a criatividade portuguesa" lançada por uma revista chinesa da especialidade.

A nova edição vai "facilitar o acesso" àquela faceta de Siza Vieira no maior mercado mundial de comunicações móveis e "gerar curiosidade e interesse pelas indústrias criativas portuguesas", disse a agência Lusa o editor-criativo da revista Casa International (Guo Ji Jiaju, em chinês), Emanuel Barbosa.

"Esta é a primeira de uma série de Apps sobre design e criatividade portuguesa a editar por nós na China", adiantou Emanuel Barbosa, que é também professor da Escola de Arte e Design de Matosinhos.

A revista Casa International, uma revista mensal fundada há mais de uma década em Pequim, já dedicou um número à arquitetura portuguesa, em Dezembro de 2012, numa edição de 208 páginas, em chinês e inglês.

"Não há dúvida que `Desenhado em Portugal` significa `Desenhado com Qualidade", afirmou na altura o diretor da publicação, Chen Yuanhzeng.

Galardoado em 1992 com Pritzker Prize (o Nobel da Arquitetura), Siza Vieira é um nome muito conhecido e admirado entre os arquitetos chineses, nomeadamente por Wang Shu, o primeiro chinês distinguido com aquele prémio, há dois anos.

Mas "Xi Zha", como dizem os chineses, é também "um grande designer de Portugal", assinala a nova App ao apresentar as cadeiras, candeeiros, pratos, torneiras e dezenas de outras peças de design criadas por Siza Vieira.

Mais de 400 milhões de chineses acedem à Internet através de smartphones, tablets e outros disponíveis móveis.

Tópicos:

App, Pritzker Prize Nobel,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    A aplicação de navegação GPS Waze disponibiliza uma nova ferramenta de ajuda nas estradas da capital Lisboeta.

    Kim e Donald passaram do insulto à vontade mútua de fazer história. Bem-vindos à era das ilusões.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.