Dicionário enciclopédico quer dar a conhecer os 600 anos da região da Madeira

| Cultura

A Agência de Promoção da Cultura Atlântica está a preparar o Dicionário Enciclopédico da Madeira, obra que quer dar a conhecer os 600 anos da cultura da região, disse hoje à agência Lusa o coordenador científico do trabalho.

"O dicionário pretende ser um instrumento de conhecimento que permita oferecer, de forma sistemática e exaustiva, uma visão que se quer completa e interdisciplinar daquilo que é o grande saber sobre o património material e imaterial da Madeira", afirmou o historiador José Eduardo Franco, à margem da apresentação, no Funchal, das linhas gerais do projeto e dos contributos recolhidos para a elaboração.

O responsável explicou que, "de há 600 anos a esta parte, a Madeira foi objeto de uma humanização da sua paisagem" que criou uma "identidade" e gerou um "microcosmos cultural" que deve ser "valorizado, conhecido e potenciado".

"É importante que, em diferentes épocas, os seus intelectuais, os seus estudiosos façam aquilo a que eu chamo o ponto da situação: a estabilização do conhecimento sobre este legado, esta herança cultural", declarou.

José Eduardo Franco adiantou que passados quase 100 anos sobre a publicação do Elucidário Madeirense, descrito como uma "obra essencial para o estudo da história do arquipélago", é momento de "fazer uma obra nova à luz dos critérios científicos, das metodologias vindas das várias áreas disciplinares" para as gerações atual e futura.

Segundo o historiador, o Dicionário Enciclopédico da Madeira "será um manancial que facilitará e promoverá a investigação", assim como uma "referência para o ensino".

"Ao mesmo tempo é ter uma espécie de cartão de identidade cultural que permitirá apresentarmo-nos perante os outros povos e as outras culturas", notou.

O Dicionário Enciclopédico da Madeira, ilustrado, deverá ser editado em "pelo menos" cinco volumes, estando já "recenseadas sete mil entradas", referiu o coordenador científico.

"Um trabalho destes é para ser feito ao longo desta década", observou José Eduardo Franco, manifestando o desejo de estar concluído para as comemorações dos 600 anos da descoberta oficial da Madeira.

O projeto, que foi candidatado ao programa comunitário Intervir +, espera contar com outros apoios, como do Governo Regional ou de mecenas.

"Geralmente, as pessoas são mais facilmente mecenas para festivais, acontecimentos efémeros e, às vezes, têm mais dificuldade em ser mecenas para estes projetos. O mecenas que tem a sensibilidade para patrocinar uma obra como esta é um mecenas com visão e com grande sentido de missão cultural", defendeu José Eduardo Franco.

Cinco pessoas vão estar a trabalhar em permanência na obra, que prevê pagar a outras que contribuam com entradas, contando igualmente com o trabalho de voluntários.

O dicionário é a principal iniciativa do projeto "Aprender Madeira", da Agência de Promoção da Cultura Atlântica, de direito privado e sem fins lucrativos criada em 2004 para promover iniciativas culturais.

O gestor do projeto, Leonel Silva, acrescentou que, além da edição em papel, o dicionário enciclopédico vai estar disponível numa plataforma eletrónica, para que seja "universal e esteja acessível a todas as pessoas".

A informação mais vista

+ Em Foco

Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      O ex-ministro da Defesa israelita Avigdor Lieberman acumulou diatribes ao longo da carreira política.

        A destruição causada pelas chamas no Estado norte-americano da Califórnia retratada numa galeria de fotografias.