Escritores Almeida Faria e José Luís Peixoto na Feira do Livro de Porto Alegre, Brasil

| Cultura

Os escritores portugueses Almeida Faria e José Luís Peixoto vão participar na 61.ª Feira do Livro de Porto Alegre, que abriu hoje, na capital do Estado brasileiro do Rio Grande do Sul.

Almeida Faria, autor de "Rumor branco", participará, na próxima quinta-feira, 05 de novembro, numa troca de ideias com o escritor brasileiro Luís Antonio de Assis Brasil, do Rio Grande do Sul, e numa sessão de autógrafos de "A Paixão", da originalmente chamada "Trilogia Lusitana" ("A Paixão", "Cortes" e "Lusitânia"), que encerrou mais tarde com "Cavaleiro Andante".

José Luis Peixoto vai apresentar o seu livro "Galveias", publicado este ano no Brasil, que se passa na aldeia natal do autor, resgatando um modo de vida rural e um saber de costumes e de tradições, que correm risco de extinção, após o contacto com o mundo moderno da grande cidade.

A Feira do Livro de Porto Alegre, que é conhecida como "a maior feira do livro a céu aberto das Américas", teve início hoje, sob o lema "livros ajudam a pensar" e, durante 17 dias, vai contar com iniciativas em torno do livro e da leitura, com atividades gratuitas para o público, que envolvem a presença de escritores, ilustradores e contadores de história.

A participação dos escritores portugueses tem apoio da Embaixada de Portugal no Brasil e do Camões - Instituto da Cooperação e da Língua.

Outros autores portugueses estiveram em edições anteriores da feira, como Gonçalo M. Tavares e Nuno Carmaneiro, em 2014, Francisco José Viegas, em 2013, e Valter Hugo Mãe, em 2012.

Tópicos:

Antonio Assis, Carmaneiro, Paixão Cortes, Valter Mãe, Viegas,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.