Escritores Almeida Faria e José Luís Peixoto na Feira do Livro de Porto Alegre, Brasil

| Cultura

Os escritores portugueses Almeida Faria e José Luís Peixoto vão participar na 61.ª Feira do Livro de Porto Alegre, que abriu hoje, na capital do Estado brasileiro do Rio Grande do Sul.

Almeida Faria, autor de "Rumor branco", participará, na próxima quinta-feira, 05 de novembro, numa troca de ideias com o escritor brasileiro Luís Antonio de Assis Brasil, do Rio Grande do Sul, e numa sessão de autógrafos de "A Paixão", da originalmente chamada "Trilogia Lusitana" ("A Paixão", "Cortes" e "Lusitânia"), que encerrou mais tarde com "Cavaleiro Andante".

José Luis Peixoto vai apresentar o seu livro "Galveias", publicado este ano no Brasil, que se passa na aldeia natal do autor, resgatando um modo de vida rural e um saber de costumes e de tradições, que correm risco de extinção, após o contacto com o mundo moderno da grande cidade.

A Feira do Livro de Porto Alegre, que é conhecida como "a maior feira do livro a céu aberto das Américas", teve início hoje, sob o lema "livros ajudam a pensar" e, durante 17 dias, vai contar com iniciativas em torno do livro e da leitura, com atividades gratuitas para o público, que envolvem a presença de escritores, ilustradores e contadores de história.

A participação dos escritores portugueses tem apoio da Embaixada de Portugal no Brasil e do Camões - Instituto da Cooperação e da Língua.

Outros autores portugueses estiveram em edições anteriores da feira, como Gonçalo M. Tavares e Nuno Carmaneiro, em 2014, Francisco José Viegas, em 2013, e Valter Hugo Mãe, em 2012.

Tópicos:

Antonio Assis, Carmaneiro, Paixão Cortes, Valter Mãe, Viegas,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam cerca de 200 mil hectares.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.

      Os governos espanhol e catalão além de estarem de costas voltadas entrincheiraram-se em narrativas de auto-justificação absolutamente incompatíveis entre si.