Exposição com 21 obras de Domingos Sequeira é inaugurada hoje no Museu de Arte Antiga

| Cultura

Uma exposição com 21 obras em pintura e desenho da autoria de António Domingos Sequeira (1768-1837), dedicadas a temas da História de Portugal, é inaugurada hoje, às 18:00, no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa.

Intitulada "Domingos Sequeira - Pintor de História", a exposição abre ao público no sábado, e fica patente até 12 de março de 2017.

Na mesma ocasião, no âmbito do ciclo "Obra Convidada", o museu exibe o "Retrato de D. Francisco de Moura Corte Real, 3.º Marquês de Castelo Rodrigo", de François Duchatel, proveniente do Museu da Quinta das Cruzes, no Funchal, Madeira.

Treinado em Roma como pintor de História, no período entre 1791 e 1807, António Domingos Sequeira abordou, sobretudo, episódios medievais, ligados à gesta dos primeiros reis de Portugal, quase sempre comissionado pela Casa Real.

Muitas destas obras, destinadas a Mafra ou ao novo palácio da Ajuda, foram levadas para o Brasil pela família real, em 1807, e estão ainda por localizar, segundo a comissária da exposição, Alexandra Gomes Markl.

Das 21 obras, quatro provêm de coleções particulares, e uma do Palácio da Pena, sendo as restantes do acervo do Museu Nacional de Arte Antiga.

"Esta exposição desenha-se em torno de duas destas pinturas, conhecidas através de diversos estudos preparatórios, que nos permitem contactar com o método de trabalho de Sequeira e reconstituir uma faceta mal conhecida da obra e uma das páginas mais intrigantes da arte portuguesa na viragem do século XVIII para o XIX", considera a especialista.

No final do ano passado, o MNAA lançou uma campanha pública inédita para a aquisição do quadro "A Adoração dos Magos", de Domingos António Sequeira, que atingiu um total de 745.623,40 euros, ultrapassando os 600 mil euros necessários.

O quadro foi comprado e está exposto no museu.

Tópicos:

Adoração Ms Domingos, Cruzes Funchal Treinado, Domingos Sequeira, Rodrigo,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.