"Há Festa na Aldeia" recupera romaria de Porto Carvoeiro

| Cultura

Porto Carvoeiro, na zona da Feira delimitada pelo rio Douro, recupera este fim-de-semana, no âmbito do projeto "Há Festa na Aldeia", a antiga romaria de S. Lourenço e realiza outras atividades para promover o povoado com aproximadamente 80 habitantes.

Dinamizado pela ADRITEM - Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Terras de Santa Maria, o projeto "Há Festa na Aldeia" irá até setembro animar outros povoados tradicionais com concertos, espetáculos de teatro, mercados de produtos regionais e ementas típicas à mesa das famílias locais, mediante inscrição prévia.

Teresa Pouzada, coordenadora da ADRITEM, explicou à Lusa que o objetivo é promover o conhecimento sobre as localidades das Terras de Santa Maria que estão classificadas como Aldeias de Portugal, procurando sempre "responder aos anseios da população local, qualificando e diferenciando os recursos que essa tem para oferecer".

No caso específico de Porto Carvoeiro, a realização do "Há Festa na Aldeia" implicou um diálogo prévio com a comunidade "para perceber o caminho que essa queria seguir, considerando que o apoio da ADRITEM, da Câmara da Feira e da Junta de Freguesia de Canedo era essencialmente de caráter imaterial e logístico".

Essa troca de impressões permitiu depois constatar que, ao nível cultural, "o maior anseio da população consistia na revitalização das festas em honra de S. Lourenço, que já não se realizavam há cinco anos e tenderiam a desaparecer, junto com a memória deste lugar à beira Douro".

Teresa Pouzada reconhece, aliás, que Porto Carvoeiro ainda é desconhecido para grande parte da população do próprio concelho da Feira, mas esclarece: "O principal encanto desta aldeia é o seu enquadramento paisagístico, com o casario em cascata debruçado sobre o rio. É possível fazer caminhadas junto ao Douro, descobrindo pequenas praias fluviais por entre o arvoredo. É um local privilegiado para práticas de lazer e desporto fluvial, e também um oásis para o descanso ou para reviver as histórias locais".

As atividades previstas para este fim-de-semana procuram, por isso, recuperar "o legado histórico que está depositado nesta povoação ladeada por floresta e rio, e que se relaciona com a importância que este porto teve outrora no transporte de carvão e como posto comercial da região".

A festa faz-se com uma procissão de velas, uma missa e uma procissão diurna em honra de S. Lourenço, com "um novo enquadramento pela requalificação da animação popular". Haverá também animação circense, um espetáculo sobre "Estórias e Cantigas de Porto Carvoeiro", pirotecnia noturna sobre o rio e uma venda de produtos alimentares regionais e artesanato alusivo ao povoado.

Para Tereza Pousada, é por esse esforço de valorização local que o projeto tem conquistado, "em primeira estância, a população local e os filhos da terra", e, em seguida, o público citadino que aprecia "o caráter inovador e diferenciador das festas, a qualidade da animação e a vivência nas casas de aldeia".

"Temos adeptos que nos têm acompanhado desde a primeira festa", garante a coordenadora da ADRITEM. "Quem vem a uma festa na aldeia regista no calendário as restantes e está presente".

Descrito como "um projeto pioneiro de desenvolvimento do território", o programa "Há Festa na Aldeia" arrancou em junho e irá abranger até setembro as aldeias de Areja (no concelho de Gondomar), Couce (Valongo), Porto Carvoeiro (Feira), Ul (Oliveira de Azeméis) e Vilarinho de S. Roque (Albergaria-a-Velha).

Detalhes sobre a programação específica para cada aldeia podem consultar-se em www.hafestanaaldeia.pt.

Tópicos:

ADRITEM, Azeméis Vilarinho S Roque Albergaria, Gondo Couce Valongo Carvoeiro, Rural Integrado, S Lourenço,

A informação mais vista

+ Em Foco

No mês do Mundial de futebol a RTP faz uma radiografia da vida na Rússia.

    Entrevista a António Mateus para o programa "Olhar o Mundo". Veja aqui.

    Um olhar aos altos e baixos da relação entre o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un.

      A RTP esteve em 2017 no navio Aquarius, agora acolhido por Espanha com mais de 600 migrantes a bordo. Veja ou reveja a reportagem.