Hino nacional indiano obrigatório nas salas de cinema

| Cultura

As salas de cinema indianas vão passar a difundir, antes de cada filme, o hino do país, que o público deverá ouvir em pé, decidiu hoje o Supremo Tribunal.

Esta decisão, tomada para estimular "o patriotismo", desencadeou imediatamente a polémica, com os opositores a considarem tratar-se de um ataque à liberdade individual.

A mais alta instância jurídica da Índia ordenou que os cinemas projetem a bandeira indiana enquanto o hino for ouvido.

Várias salas difundiam já o "Jana Gana Mana", composto pelo poeta bengali Rabindranath Tagore, no início do século XX, mas só era obrigatírio no estado ocidental de Maharashtra.

A obrigação de se levantar para ouvir o hino é um tema em debate há muito tempo na Índia.

"Quando se toca o hino, é imperativo que cada um demonstre honra e respeito", consideraram os juízes, de acordo com o site Livelaw, o que os meios de comunicação indianos interpretaram como uma obrigação de se levantar para ouvir o hino.

O objetivo da difusão do hino é estimular "um sentimento de patriotismo comprometido e nacionalista", acrescentou o tribunal.

A polémica é dominada por vozes à esquerda que acusam regularmente o governo nacionalista hindu de limitar a liberdade de expressão.

"Já é importante que o Supremo Tribunal despreze a liberdade individual. Recorrer a algo tão pouco importante e arbitrário como o comportamento a adoptar nas salas de cinema é deplorável", escreveu no seu blogue Nitin Pai, fundador do grupo de reflexão Instituto Takshashila.

No mês passado, um deficiente em cadeira de rodas afirmou ter sido agredido num cinema de Goa por não se ter posto de pé durante o hino.

A informação mais vista

+ Em Foco

O homem que se deixa guiar mais pela racionalidade e disciplina considera que chegou o momento de “mobilizar os portugueses e com eles restabelecer a confiança num futuro melhor”.

    Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

      Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

      O ministro da Administração Interna garante em entrevista à Antena 1 que não será "nem para o ano, nem daqui por dois" que ser resolve o problema dos incêndios em Portugal.