Hino nacional indiano obrigatório nas salas de cinema

| Cultura

As salas de cinema indianas vão passar a difundir, antes de cada filme, o hino do país, que o público deverá ouvir em pé, decidiu hoje o Supremo Tribunal.

Esta decisão, tomada para estimular "o patriotismo", desencadeou imediatamente a polémica, com os opositores a considarem tratar-se de um ataque à liberdade individual.

A mais alta instância jurídica da Índia ordenou que os cinemas projetem a bandeira indiana enquanto o hino for ouvido.

Várias salas difundiam já o "Jana Gana Mana", composto pelo poeta bengali Rabindranath Tagore, no início do século XX, mas só era obrigatírio no estado ocidental de Maharashtra.

A obrigação de se levantar para ouvir o hino é um tema em debate há muito tempo na Índia.

"Quando se toca o hino, é imperativo que cada um demonstre honra e respeito", consideraram os juízes, de acordo com o site Livelaw, o que os meios de comunicação indianos interpretaram como uma obrigação de se levantar para ouvir o hino.

O objetivo da difusão do hino é estimular "um sentimento de patriotismo comprometido e nacionalista", acrescentou o tribunal.

A polémica é dominada por vozes à esquerda que acusam regularmente o governo nacionalista hindu de limitar a liberdade de expressão.

"Já é importante que o Supremo Tribunal despreze a liberdade individual. Recorrer a algo tão pouco importante e arbitrário como o comportamento a adoptar nas salas de cinema é deplorável", escreveu no seu blogue Nitin Pai, fundador do grupo de reflexão Instituto Takshashila.

No mês passado, um deficiente em cadeira de rodas afirmou ter sido agredido num cinema de Goa por não se ter posto de pé durante o hino.

A informação mais vista

+ Em Foco

O vinho e o queijo, a simpatia dos portugueses e o bom tempo. A ainda embaixatriz dos EUA só tem um defeito a apontar: a forma como os portugueses lidam com os erros. Kim Sawyer conta a sua história de vida à RTP.

    Em entrevista à Antena 1, o eurodeputado considera que a estabilidade pode ser minada pela polémica da TSU.

    Amir Ashour é o primeiro iraquiano a dar a cara pelos direitos gay no seu país. Em segurança na Suécia, revela à RTP episódios de tortura e de rejeição.

      O antigo Presidente da República morreu aos 92 anos. Recordamos aqui os principais momentos de uma figura incontornável da História de Portugal.