Igreja dos Clérigos devolvida ao Porto com elevador, museus e concertos de órgão

| Cultura

A renovada Igreja dos Clérigos, com inauguração marcada para 12 de dezembro às 12:00, será devolvida à cidade do Porto com nova entrada, acesso a pessoas com mobilidade reduzida, elevador, museus e concertos de órgãos de tubo.

As obras de renovação, lançadas a 23 de dezembro de 2013, substituíram os "cinzentos, pretos e a sujidade" das paredes, mármores, altares, mobiliário, esculturas e pinturas pelos "rosas, brancos e dourados", devolvendo ao monumento o "esplendor" de 1779, ano da sua primeira inauguração, afirmou hoje à agência Lusa, o presidente da Irmandade dos Clérigos, padre Américo Aguiar.

O espaço intervencionado rondou os 4.500 metros quadrados, foram instalados 13 quilómetros de cabos elétricos e gastos 60 quilos de algodão, 140 mil folhas de ouro e 200 litros de álcool etílico, referiu à Lusa o administrador da empresa Signinum, Luís Campos.

E, acrescentou, "tivemos cerca de 50 pessoas, em média, a trabalhar por dia, perfazendo mais de 120 mil horas".

A requalificação do monumento, considerado o `ex-libris´ da cidade do Porto, era "desejada mas, sobretudo, necessária", considerou o padre Américo Aguiar.

Os portuenses, portugueses e turistas vão descobrir áreas desconhecidas, dado estarem fechadas ao público, e a abertura à circulação de corredores até agora não transitáveis permitirá "uma visita de 360 graus a todo o edifício", disse.

A Igreja dos Clérigos, encerrada desde o início das obras, sofreu uma alteração "pura e dura de restauro", mas a principal mudança foi o aproveitamento do edifício, situado entre a torre e a igreja, antigo hospital, enfermaria e residência do clero, agora transformado em espaços museológicos, explicou o sacerdote.

O presidente da Irmandade dos Clérigos frisou que houve "grandes intervenções" em áreas como a infraestrutura elétrica, sistema de alarme contra incêndios ou climatização que não serão "vistas" pelos visitantes.

As obras, que não revelaram achados arqueológicos, foram feitas todas ao mesmo tempo, desde restauro à construção civil, para "não se correrem riscos", salientou.

"No nosso país, há muitos edifícios que nunca se concluíram por causa das fases de intervenção", afirmou.

O investimento total foi de 2,6 milhões de euros, comparticipados em 1,7 milhões pelo Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN), cabendo os restantes 800 mil euros à Irmandade dos Clérigos, com recurso a financiamento do programa Jessica.

Para gerar receita, a irmandade irá cobrar entrada nos museus e, tal como já acontece, na torre, mas a igreja manter-se-á de acesso gratuito, revelou.

A entrada dos visitantes na igreja passará a ser feita pela porta da Rua da Assunção, onde existirá um elevador destinado às pessoas com mobilidade reduzida e que permitirá o acesso aos quatro pisos do edifício, menos à torre.

O padre Américo Aguiar anunciou que, entre o Natal e o Dia de Reis, haverá concertos de órgãos de tubos, juntando o "culto e a cultura".

Desde março de 2014 que uma vez por mês, a dia 12, a Irmandade dos Clérigos organizou visitas às obras convidando políticos, desportistas, forças policiais ou membros do governo para "sensibilizar" a empresa de que o prazo seria para cumprir.

A inauguração está marcada para 12 de dezembro, às 12:00, exatamente 235 anos depois da primeira inauguração do monumento, com marca arquitetónica de Nasoni.

Tópicos:

Estratégica, Irmandade Clérigos, Signinum Campos,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.

    Fãs de Aretha Franklin homenagearam a icónica cantora norte-americana em várias cidades dos Estados Unidos. A rainha da Soul morreu na manhã de quinta-feira na sua casa em Detroit.

      Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

        Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.