Jean-Michel Jarre regressa com "Oxygène 3" 40 anos depois do álbum revelação

| Cultura

O músico francês Jean-Michel Jarre edita hoje "Oxygène 3", álbum que prossegue a viagem encetada há 40 anos, com o seu primeiro sucesso, "Oxygène", publicado em França a 02 de dezembro de 1976.

"Não gosto muito de aniversários, mas quando estava a gravar `Eletrónica`, há dois anos, fiz uma peça, a atual `Oxygène 19`, que me fez pensar o que poderia ser `Oxygène`, se o tivesse composto agora", escreveu Jean-Michel Jarre no sítio oficial de apresentação do novo álbum, na internet.

"Tomei, por isso, os 40 anos do primeiro como `deadline` para compor um novo capítulo". A ideia era fazer "uma nova viagem", mantendo "a referência original", mas "sem a reinterpretar", como em 2006, de acordo com o pioneiro da música eletrónica `pop` e da `new age`, referindo-se à edição comemorativa de há dez anos.

O novo álbum tem assim "uma parte mais negra e outra mais luminosa", em paralelo com as faces A e B do vinil original, e mantém uma "aproximação minimalista", tendo em conta os meios usados na conceção anterior.

"Algumas sequências estão construídas apenas sobre um ou dois acordes, como no primeiro volume", escreve o compositor, na apresentação do novo trabalho.

O músico também quis manter a capa de "Oxygène", concebida pelo artista francês Michel Granger, que, em 1976, Jarre já sentira "adequado para a música que estava a compor".

"Oxygène 3" recupera assim a imagem original, "apenas como se tivesse sido fotografada de outro ângulo", o que também está de acordo com o tipo de aproximação que Jean-Michel Jarre diz ter seguido para a criação "do novo capítulo musical".

Há dez anos, o músico assinalou os 30 anos de "Oxygène" com uma reinterpretação do primeiro álbum, e fez uma digressão que, pela primeira vez, passou por Portugal, em 2008, com dois concertos, nos coliseus de Lisboa e do Porto.

Os 20 anos de "Oxygène" deram origem ao lançamento de "Oxygène 7-13", em 1997.

Jean Michel Jarre nasceu em Lyon, há 68 anos, teve formação clássica em música, foi guitarrista de bandas rock como os Mystère 4 e The Dustbins e, em 1968, ingressou no Grupo de Investigação Musical da antiga rádio e televisão pública ORTF, dirigido pelo compositor Pierre Schaeffer (1910-1995), nome fundador da música concreta, especialista em eletrónica e acústica.

As preocupações de Schaeffer - que também se estendiam à ecologia emergente e ao anti-nuclear - marcaram Jarre, que escreveu então a sua primeira peça, "Happiness is a sad song" (1969), e fez o seu primeiro disco, "La Cage/Erosmachine" (1971).

Até à gravação de "Oxygène", em 1976, manteve-se desconhecido, produziu outros artistas, compôs para publicidade e cinema, concebeu música eletrónica para bailado, na Ópera de Paris, gravou discos como "Deserted Palace" (1972).

Depois, tudo mudou. "Oxygène", o álbum instrumental que gravara em casa com sintetizadores, revelar-se-ia um sucesso, com mais de 12 milhões de exemplares vendidos, primeiros lugares nos `tops`, prémios na Europa e nos Estados Unidos.

Os seus concertos, ricos em efeitos visuais, passaram a mobilizar multidões e chegaram às páginas do Guiness.

A apresentação do segundo álbum, "Equinoxe", em 1978, reuniu um milhão de pessoas, a de "Rendez-Vous", em 1986, juntou 1,3 milhões. Em 1990, no dia da Bastilha, em Paris, foram ouvi-lo 2,5 milhões, número superado em Moscovo, em 1997, num concerto com 3,5 milhões de espectadores.

Em 2006, Jarre atuou no deserto. Levou ao Saara "Water Live", projeto que o liga à UNESCO, assim como a iniciativa "Educação para todos".

"The Concerts in China" e "Magnetic Fields" (1981), "Zoolook" (1984), "Revolutions" (1986), "Waiting for Cousteau" (1990), "Chronologie" (1993), "Metamorphoses" (2000), "Geometry Of Love" (2003) são outros álbuns que marcaram a sua carreira.

"Oxygène 3" é editado hoje, pela Sony, em CD, vinil e digital, a par de uma caixa com a trilogia - "Oxygène", "Oxygène 7-13" e "Oxygène 3" -, e de uma edição de luxo com os três álbuns, em CD e vinil, e um livro sobre esta "viagem" de 40 anos.

Jean-Michel Jarre vai apresentar o novo álbum ao vivo, em Paris, no próximo dia 12.

 

Tópicos:

Bastilha, Cousteau Chronologie Metamorphoses Geometry, Dustbins, Lyon, Michel Granger, Sony,

A informação mais vista

+ Em Foco

Ao longo desta semana, há vozes com sotaque de Nações Unidas para ouvir na Antena 1 e no site da RTP. Testemunhos de estrangeiros em Portugal recolhidos a poucos dias de António Guterres assumir a liderança da ONU.

    Nasceu em 1951 e já foi um local com uma vida própria e entusiasmante nos arredores de Cascais. Ao longo dos anos, o Edifício Cruzeiro foi-se degradando. Agora terá nova vida.

      Um velho enigma pode estar explicado: por que continua a ilha de Santa Maria a erguer-se acima do nível do mar? Ricardo Ramalho resume para o site da RTP a investigação mais recente.

        Uma rubrica do site da RTP e do Jornal 2 dentro do contexto evocativo do centenário da Grande Guerra. Emitida todas as segundas-feiras.