Manuel António Pina vai ser homenageado em Santo Tirso

| Cultura

A próxima edição de "A poesia está na rua", que decorre anualmente em Santo Tirso, será dedicada ao poeta Manuel António Pina, que morreu na sexta-feira, anunciou hoje a Câmara local, organizadora do evento.

O poeta já havia sido a figura central da terceira edição deste evento, que decorreu em março de 2006, tendo cabido ao ensaísta Eduardo Prado Coelho, também já falecido, a tarefa de apresentar a obra e a vida do escritor.

Ao tomar conhecimento da morte de Manuel António Pina, a autarquia decidiu apresentar os pêsames à família do poeta e anunciar, em comunicado, a decisão de que oitava edição de "A poesia está na rua", a decorrer no mês de março, prestará tributo à vida e obra do poeta, escritor e cronista.

"A poesia está na rua" é um evento anual promovido, desde 2004, pela Câmara Municipal de Santo Tirso, com "o objetivo de dar uma expressão festiva à poesia, fazendo-a comungar da vida comunitária do concelho". Durante um mês, os agentes culturais do concelho promovem a ideia de tirar a poesia dos lugares convencionais, trazendo-a para a rua. No âmbito desta iniciativa, todos os anos é homenageado um poeta português, tendo sido Vasco Graça Moura a figura escolhida este ano.

Manuel António Pina nasceu no Sabugal em 1943 e morreu na sexta-feira, no Hospital de Santo António, no Porto.

Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, Manuel António Pina foi jornalista do Jornal de Notícias entre 1971 e 2001, assinando posteriormente uma coluna na última página deste diário do Porto.

Foi autor de poesia, ficção, crónica, literatura infantil e de duas dezenas de peças de teatro. A sua obra valeu-lhe o Prémio Pessoa em 2011.

Tópicos:

Câa, Sabugal, Tirso,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à Antena 1, o antigo Presidente da República percorre os contornos do pacto estratégico para o país que propôs dois dias antes do 25 de Abril. E elogia o secretário-geral do PCP.

O jornalista e ativista argentino Aldo Casas esteve em Portugal após o 25 de Abril, entre 1974 e 1977. Volvidos 42 anos, designa como “inesquecíveis” as vivências desses anos.

    Cinco homens, quatro mulheres, nove candidatos à posição de secretário-geral da Organização das Nações Unidas. Incluindo o antigo primeiro-ministro português António Guterres.

      Completam-se agora 100 anos sobre o início da beligerância portuguesa. Uma data assinalada pela RTP com a publicação online dos seus mais significativos materiais de arquivo sobre o tema.