Morreu António Tabucchi

| Cultura

António Tabucchi morreu hoje em Lisboa, de doença prolongada. Tinha 68 anos
|

O escritor italiano António Tabucchi morreu esta manhã no hospital da Cruz Vermelha em Lisboa, onde se encontrava internado, informou a viúva, Maria José Lencastre. Tabucchi, de 68 anos, sofria de doença prolongada e irá a sepultar na capital portuguesa, na próxima quinta-feira.

De origem italiana, o escritor estava ligado há várias décadas a Portugal, através da obra de Fernando Pessoa, da qual era profundo admirador e que divulgou e traduziu para italiano.

Premiado com o Pémio Campiello, Prémio Medicis e Prémio da Associação Europeia de Jornalistas, Tabucchi foi ainda candidato ao Prémio Príncipe das Astúrias e figurava de forma constante na lista de candidatos ao Prémio Nobel da Literatura.

Deixa obras como "Afirma Pereira" e "A cabeça perdida de Damasceno Monteiro," ambas passadas em Portugal, "Nocturno Indiano", "Os últimos três dias de Fernando Pessoa" e "Requiem."
Sonhar em português
A nacionalidade portuguesa foi concedida a Tabucchi em 2004, formalizando uma ligação emocional profunda com o país de quem se reconhecia "cativo", admitindo mesmo sonhar frequentemente em português.

Revelou ainda em entrevistas ao jornal Público, que gostava de "perder tempo" a admirar Lisboa, a pensar e de abraçar os amigos. Entre estes contam-se Alexandre O'Neill, José Cardoso Pires e Fernando Lopes.

António Tabucchi apoiou Mário Soares e foi ainda candidato do Bloco de Esquerda nas eleições europeias. Escreveu sobre a luta dos timorenses, e defendeu sempre a liberdade de expressão e o direito à palavra.
Contos póstumos
Os jornais italianos Corriere della Sera e La Reppublica escrevem hoje, a propósito da morte de Antonio Tabucchi, que morreu o "mais original" autor das últimas décadas, o "mais europeu dos escritores italianos".

Em abril a editora D.Quixote irá publicar "O tempo envelhece depressa", um conjunto de contos sobre a passagem do tempo, passado e presente. Temas que marcaram o seu pensamento.

Tópicos:

Prémio Nobel, Prémio Príncipe das Astúrias, Publicações D.Quixote, António Tabucchi,

A informação mais vista

+ Em Foco

Passaram sete anos desde o início das “Primaveras Árabes”. Regimes mudaram, guerras civis rebentaram, houve conflitos que alteraram dinâmicas regionais e vazios de poder que deram origem a Estados falhados.

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.