Mostra de Gabriela Albergaria em São Paulo em diálogo com obra de paisagista brasileiro

| Cultura

A exposição "Terra Território", da artista portuguesa Gabriela Albergaria, levará ao Consulado de Portugal em São Paulo, a partir de sábado, obras inéditas que dialogam com o projeto do arquiteto paisagista brasileiro Roberto Burle Marx.

A exposição, segundo a organização, discute questões como fronteira, deslocamento, território, pertença e relação entre homem e a natureza, tendo por cenário o espaço do consulado-geral português - edifício e jardim -, projetado por Burle Marx, pioneiro da arquitetura paisagista no Brasil, na década de 1940.

O projeto inclui uma série de desenhos, nos quais Gabriela Albergaria analisa a adaptação de duas espécies de árvores nos climas de São Paulo e de Lisboa.

A artista também criou duas intervenções, uma delas na piscina do local, onde vão flutuar boias náuticas ancoradas por bolas de chumbo, e outra no muro do consulado, com floreiras com gerânios, que lembram casas e edifícios da capital portuguesa.

A exposição terá entrada gratuita ao público e ficará disponível de 31 de outubro a 12 de dezembro, de segunda a sexta-feira, sob iniciativa do consulado.

Gabriela Albergaria é formada pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto e começou a expor regularmente em 1990, tendo passado por diversos países, entre eles Portugal, Uruguai, Peru e Estados Unidos.

Lecionou na Ar.Co - Centro de Arte e Comunicação Visual, em Lisboa, antes de conseguir uma bolsa como artista residente na Kunstlerhaus Bethanien, em Berlim, começando a expor regularmente em instituições estrangeiras.

Tópicos:

Kunstlerhaus Bethanien, Roberto Burle,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam cerca de 200 mil hectares.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.

      Os governos espanhol e catalão além de estarem de costas voltadas entrincheiraram-se em narrativas de auto-justificação absolutamente incompatíveis entre si.