Museu das Flores relembra naufrágio de paquete Slavónio

| Cultura
Museu das Flores relembra naufrágio de paquete Slavónio

Foi há 103 anos que o paquete Slavónio, com cerca de 600 pessoas a bordo, naufragou ao largo da Ilha das Flores, nos Açores, e emitiu, pela primeira vez, o sinal SOS.

Mais de 100 anos depois, são bastantes as lendas e histórias que tiveram origem no naufrágio do paquete. Luís Oliveira, diretor do Museu das Flores, conta como os locais, ao sair de manhã para os pastos, encontraram estrangeiros "sentados em cima das paredes de pedra, com um ar relativamente faminto". Então, os "habitantes da ilha começaram a ordenhar vacas e a distribuir leite pelas pessoas".

Durante esse verão de 1909, e apesar da vigilância das autoridades, os moradores da Ilha das Flores aproveitaram os rombos para entrar no casco e explorar o interior do navio. Objetos de todo o tipo foram então retirados do paquete e levados para casas particulares. Hoje, parte desse espólio está em exposição no Museu das Flores.

(com Pedro Araújo Pina)



A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.