Novo festival de documentário Porto Post Doc exibe 50 filmes de 4 a 13 de dezembro

| Cultura

O festival de cinema Porto/Post/Doc inaugura-se com a exibição de 50 filmes entre os dias 04 e 13 de dezembro, incluindo a estreia nacional de "O Velho do Restelo", de Manoel de Oliveira, foi hoje anunciado.

Fruto de uma nova associação criada no Porto, a organização apresenta o evento com o objetivo de querer "fazer um festival de cinema de qualidade internacional na cidade do Porto", espalhando-se por locais como o Rivoli Teatro Municipal, o Passos Manuel e o Maus Hábitos.

A secção competitiva vai contar com obras originárias de países como Bélgica, Roménia, França, Filipinas, Síria, Suíça e Portugal, das quais "cerca de dois terços [são] estreias nacionais".

De acordo com o diretor do evento, Dario Oliveira, o Porto "merece e tem estrutura para vários festivais de cinema", pelo que o Porto/Post/Doc pretende contribuir para o processo de dinamização da vida cultural da Baixa da cidade.

Financiado por um misto de empresas locais, associados e outros parceiros, a organização do festival tem noção de que é preciso "conquistar públicos" na primeira edição de um evento que se quer estabelecer e ganhar dimensão europeia.

Dario Oliveira sublinhou à agência Lusa que um dos objetivos da associação e do festival é começar a produzir, algo que esperam que possa acontecer em 2015, por forma a fomentar essa dinâmica cinematográfica da região e conseguir captar os jovens que saem dos cursos artísticos anualmente e que "não deviam ter de sair da cidade para trabalhar".

O evento vai abranger ainda um fórum intitulado "Onde Está o Real?" com três mesas redondas com especialistas, tendo por propósito "teorizar a proposta de programação do Porto/Post/Doc: a hibridização contemporânea entre documentário e ficção", segundo o dossiê de imprensa.

O Porto/Post/Doc vai ter também uma secção intitulada "Persona" (com "filmes em que os direitos humanos são vistos ao microscópio da lente cinematográfica"), uma "Transmission" ("um programa sobre a exploração de múltiplas relações entre a música e as imagens em movimento"), a secção Cine Fiesta, de documentários espanhóis, e uma área de nome "Cinema Falado", que "aglomera todos os filmes de todas as secções que são falados em português".

A abertura oficial do festival vai ter lugar a 06 de dezembro, no grande auditório do Rivoli, com a antestreia nacional de "Concerning Violence", de Goran Hugo Olsson.

Para além da estreia nacional de "O Velho do Restelo", que ocorre no aniversário de Manoel de Oliveira a 11 de dezembro, no Porto em simultâneo com a exibição em Lisboa, o Porto/Post/Doc vai exibir "Douro, Faina Fluvial", "O Pintor e a Cidade" e "Painéis de São Vicente de Fora - Visão Poética".

Dois dias depois, a sessão de encerramento vai decorrer com a entrega do prémio para melhor filme documentário em competição, seguindo-se a também antestreia nacional de "The Salt of the Earth", de Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado.

Pelo meio vai estar ainda o regresso a Macau de João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata com "Iec Long", a obra "Acima das Nossas Possibilidades", de Pedro Neves, resultante do Projeto Troika e, entre outros, "Cavalo Dinheiro", de Pedro Costa.

"Numa primeira edição, em que tudo se encontra em jogo, só pedimos a todos que confiem em nós. Trabalhámos durante um ano para conseguir chegar aqui e se a programação é, sem dúvida, a que queríamos construir, a montagem financeira fica aquém do necessário para podermos fazer o que nos propusemos", pode ler-se na mensagem de Dario Oliveira.

Tópicos:

Bélgica Roménia, Dario, Earth, Falado, Goran, Mata, Post Doc, Projeto Troika, Velho Restelo,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.