Novo livro revela lado humano da emigração portuguesa nos Estados Unidos

| Cultura

Um livro de não-ficção, com o objetivo de constituir um registo inédito da experiência emigratória portuguesa nos Estados Unidos, deverá ser lançado no outono e, até ao final de fevereiro, aceita histórias de quem estiver interessado em participar.

"Acreditamos que este projeto vai fazer justiça aos nossos antepassados e destacar um novo elemento humano muito entusiasmante, talvez nunca mostrado de forma tão dramática", disse à agência Lusa o presidente da Portuguese Heritage Publications of California, Henrique Denis, que vai editar a obra.

Esta organização sem fins lucrativos procura pesquisar, preservar e difundir as memórias dos portugueses na Califórnia e conta publicar o livro no próximo outono.

"Frequentemente, as melhores, mais interessantes, únicas e cativantes histórias incluem protagonistas humildes, com natureza afetiva e caráter humanos. Individualidade e originalidade são os objetivos definitivos deste projeto", acrescenta Denis.

A organização considera que a participação tem sido "excelente", contando já com cerca de 35 histórias. O processo de seleção e edição começou no início do ano e deve estar terminado dois meses depois do final das inscrições.

O poeta Frank Gaspar vai escrever o prefácio da obra, que já tem a participação assegurada dos romancistas Katherine Vaz e Darrell Kastin.

"A história dos portugueses neste Estado merece uma documentação apropriada, para beneficiar académicos e futuras gerações. O que queremos é não apenas capturar os factos relacionados com a emigração para a Califórnia, mas também o drama humano", explica à agência Lusa Millicent Borges Accardi, uma escritora luso-americana associada ao projeto.

Accardi diz que, "apesar de a vida de emigração obedecer a um padrão, há histórias únicas e merecedoras de serem preservadas para a posteridade."

Henrique Denis acredita que o livro "vai destacar o carácter, a força, a determinação e os valores humanos dos protagonistas desta história."

Tópicos:

Katherine Vaz, Portuguese Heritage Publications,

A informação mais vista

+ Em Foco

"Governar Portugal", sustentou o novo líder social-democrata no discurso de encerramento do 37.º Congresso do PSD, passa por "ter as pessoas como centro e razão da ação".

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Foram sinalizados casos de mutilação genital numa escola da Baixa da Banheira. Uma associação trabalha com turmas. Ainda há rapazes que defendem a "submissão" como "saudável".

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.