Parlamento aprova anteprojeto de lei que inclui português entre línguas oficiais do país

| Cultura

A Assembleia Nacional da Guiné Equatorial aprovou, por maioria, o português como terceira língua oficial do país, informaram hoje fontes oficiais guineenses.

A exceção de Plácido Micó, secretário-geral e deputado do partido Convergência para a Social-Democracia (CPSD), os restantes 99 parlamentares aceitaram a proposta defendida pelo vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Francofonia, Eustáquio Nseng Esono.

Nseng Esono referiu aos deputados que o anteprojeto de lei que reconhece o português como idioma oficial é "uma decisão política que está justificada pelos vínculos culturais e estratégicos que unem a Guiné Equatorial aos países lusófonos."

O vice-ministro recordou que "a inclusão dessa nova língua, juntamente com o espanhol e o francês, responde aos alinhamentos estratégicos do Ministério dos Negócios Estrangeiros para avançar no mundo globalizado."

Nseng Esono assegurou que se trata de "romper com o isolamento que tanto tem prejudicado a Guiné Equatorial nas relações internacionais tradicionais."

O francês foi o idioma que a Câmara de Representantes aprovou como segunda língua no país, em setembro de 1997, dentro do "contexto das relações internacionais da Guiné Equatorial" e para sua "integração completa", numa zona de África maioritariamente francófona, segundo justificou o Presidente guineense, Teodoro Obiang.

O francês é o "idioma de trabalho" desde a integração do país, em 1985, à União Aduaneira e Económica dos Estados da África Central (UDEAC), atual Comunidade Económica e Monetária da África Central (CEMAC) e ao Banco dos Estados da África Central (BEAC), duas instituições apoiadas pelo Governo de França.

A Guiné Equatorial ambiciona trocar o estatuto de observador na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa por membro de pleno de direito.

Pressionados por várias opiniões contrárias denunciando abuso dos direitos fundamentais no regime de Teodoro Obiang, no poder desde 1979, os chefes de estado e de governo dos "oito" decidiram, na cimeira de Luanda, em julho de 2010, condicionar a decisão final da Guiné Equatorial sobre a adesão a mais negociações.

CSR.

 

Tópicos:

Guiné Equatorial,

A informação mais vista

+ Em Foco

A Girl Move Academy existe há quatro anos com o objetivo de criar uma geração de mulheres líderes. É um “movimento de capacitação e investimento da mulher”.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      A menos de 100 quilómetros da fronteira com a Síria, a cidade turca de Gaziantep é uma terra de tradições e sabores.

      Fotografias da autoria do artista berlinense Martin Dammann lançam luz sobre o lado mais obscuro da Wehrmacht.