Pintor de Coimbra expõe na Rússia

| Cultura

O pintor conimbricense Santiago Ribeiro é o único português entre meia centena de artistas de vários países que participam numa exposição dedicada ao surrealismo, a inaugurar na quinta-feira em Moscovo, no Museu Central de História Contemporânea da Rússia.

"Surreal -- Produção em Massa" e "Moinho de Fruta" são os dois trabalhos que Santiago Ribeiro apresenta no 1º Festival Internacional de Arte Contemporânea Rússia-Estados Unidos-Europa, a decorrer até domingo.

É a quarta vez que o artista expõe as duas pinturas em Moscovo, depois de organizar e participar em várias exposições em Portugal, Polónia, Itália, Espanha e França, país onde irá participar, a partir de 30 de março, numa mostra coletiva organizada pela Fundação Bissaya Barreto, de Coimbra, e pela Dorothy`s Gallery.

No 1º Festival Internacional de Arte Contemporânea de Moscovo participam 45 artistas, provenientes países como Rússia, Estados Unidos, Alemanha, Grécia, México, Espanha, Áustria, Austália, Reino Unido.

Trata-se de um projeto de Andrei Nekrasov, considerado "o mais chocante icónico galerista underground de Moscovo", autor e organizador do famoso Vanguard-surrealista-Esotérica Art Project "Geysers de subconsciência".

Um dos objetivos do festival é dar a conhecer novos talentos, ao lado de obras de mestres de arte moderna, incluindo trabalhos de pintura, escultura, batik, fotografia e instalação.

O projeto abrange arte original de autores contemporâneos que trabalham em estilos diferentes -- realismo, surrealismo, avant-garde, impressionismo, arte abstrata, pós-modernismo, primitivismo.

 

Tópicos:

Andrei Nekrasov, Dorothy Gallery, Massa, Vanguard,

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O embaixador russo em Lisboa afirma, em entrevista à RTP, que as declarações e decisões de Donald Trump sobre Jerusalém podem incendiar todo o Médio Oriente.

    Rui Rosinha, bombeiro de Castanheira de Pêra, sofreu queimaduras de terceiro grau e esteve dez horas à espera de ser internado. Foi operado 14 vezes e regressou a casa ao fim de seis meses.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.