Rui Moreira admite carência de cinema e de salas para filmes comerciais no Porto

| Cultura

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, considerou hoje que o município vive com "carência de cinema", mas acredita que iniciativas como o festival Porto/Post/Doc permitem colocar a cidade no mapa da sétima arte.

"O Porto tem uma enorme carência (...) de cinema. É uma cidade que praticamente não tem salas de cinema comerciais e, portanto, para nós tem sido uma forte aposta no Teatro Rivoli e também no Campo Alegre apostar no cinema, porque há uma enorme carência e há uma grande apetência também", declarou aos jornalistas Rui Moreira, à margem da apresentação da II edição do festival Porto/Post/Doc.

Rui Moreira, que desde o dia 11 deste mês detém o pelouro da Cultura da Câmara do Porto, declarou que a segunda edição do festival do Porto/Post/doc, que arranca no próximo dia 01 de dezembro e se prolonga até dia 8, é muito importante para a cidade.

"Temos vindo a apostar no cinema. É de facto uma pecha que havia na cidade. Talvez a pecha mais significativa que havia numa cidade que se diz e que tem o mérito de poder dizer que é uma cidade do cinema. De facto havia muito pouca coisa. Estamos a tentar preencher essa lacuna", assegura, reiterando que "praticamente não há cinema comercial na cidade".

"É uma preocupação que a todos nos assola num tempo em que há movimentos preocupantes também na indústria cinematográfica e é importante que a cidade esteja atenta a tudo aquilo que se passa", conclui.

A Câmara Municipal do Porto apoia o Porto/Post/Doc "pelo mérito que foi reconhecido logo que nos foi apresentado, ao vereador Paulo Cunha e Silva e a mim", recorda Rui Moreira, classificando o festival de "muito inovador", por trazer "uma visão diferente do cinema, nomeadamente do cinema documental", mas também porque revela realizadores desconhecidos até do público mais cinéfilo e porque se consegue envolver com programas vários programas culturais da cidade.

Rui Moreira observa que o objetivo da autarquia não é fazer uma concorrência de espetadores -- "isto não é propriamente a venda de pipocas, não é esse tipo de cinema" -, mas sublinha que o festival registou sucesso internacional e que o tal facto ajuda a "colocar o Porto no mapa".

"Porto não pode deixar de ser uma cidade do cinema", argumenta.

Sobre o festival, o presidente da Câmara do Porto destacou a homenagem que o Porto/Post/Doc vai fazer a Chantal Akerman, realizadora que nasceu em Bruxelas em 1950 e descendente de famílias de judeus polacos, que pertenceu à geração pós nouvelle vague onde disse que os seus filmes valem a pena "porque nos comove e emociona".

Os bilhetes de ingresso para as sessões de cinema variam entre os dois euros, para menores de 18 e maiores de 65 anos, e os quatro.

 

Tópicos:

Bruxelas, Post Doc,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Em Cuba, os Castro passam o testemunho do poder, que mantiveram durante quase 60 anos.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.