The Cure são cabeças de cartaz do segundo dia do Optimus Alive

| Cultura

O regresso dos britânicos The Cure marca hoje o segundo dia do festival Optimus Alive, que decorre até domingo no Passeio Marítimo de Algés, e onde deveriam atuar também os Florence + The Machine, substituídos pelos Morcheeba.

Em mais de trinta anos de carreira, o grupo vendeu cerca de trinta milhões de discos, e é considerado a mais bem sucedida banda de rock alternativo, mas da formação inicial já só resta o carismático vocalista Robert Smith.

O último álbum de originais da banda, "4:13 Dream", data de 2008.

No concerto, que deverá durar cerca de três horas, não deverão ser esquecidos temas que popularizaram o grupo, como "Boys Don`t Cry", "A Forest", "Lullaby", "Why Can`t I Be You?", "Friday I`m In Love".

No mesmo palco dos The Cure, atuam também os britânicos Morcheeba, anunciados na sexta-feira em substituição dos Florence + The Machine, impedidos de atuar devido a um problema nas cordas vocais de Florence Welch.

A banda de Skye Edwards já esteve várias vezes em Portugal, incluindo em 2011 no Centro Cultural de Belém, em Lisboa. O último álbum do grupo data de 2010, "Blood Like Lemonade", no qual Skye Edwards voltou a participar, depois de ter estado ausente entre 2003 e 2010.

Para o mesmo palco estão ainda marcadas as atuações dos portugueses We Trust, os britânicos Noah and the Whale, que se estreiam ao vivo em Portugal com o mais recente álbum, "Last Night on Earth", editado em 2011, e Mumford & Sons, grupo folk rock de Londres, apenas com um álbum editado, que também pisa palcos lusos pela primeira vez.

No palco Heineken hoje o destaque vai para o regresso a Portugal do músico inglês Tricky, uma das figuras de proa do trip-hop, para interpretar, na íntegra, o álbum "Maxinquaye", primeiro álbum do músico, editado em 1995.

No mesmo palco atuam ainda os portugueses Blasted Mechanism, a inglesa Katy B, os norte-americanos Awolnation, The Antlers, Here We Go Magic, os britânicos Big Deal e a irlandesa Lisa Hanningan.

Além destes dois espaços, haverá ainda música no palco Optimus Clubbing, dedicado à eletrónica, com atuações de, entre outros, o vocalista dos LCD Soundsystem, James Murphy, acompanhado de Pat Mahoney, e dos vencedores do concurso Optimus Live Act, os portugueses Ninja Kore.

No pórtico de entrada, se os festivaleiros olharem para cima, poderão assistir às atuações das bandas e de DJ finalistas do concurso Optimus Live Act.

O festival vai decorrer até domingo, dia que está esgotado, assim como os passes para os três dias.

Na sexta-feira, de acordo com a organização, passaram pelo Passeio Marítimo de Algés cerca de 45 mil pessoas.

O orçamento desta edição do Optimus Alive é de cerca de 5,2 milhões de euros, e já há datas para o próximo ano. O festival regressa ao mesmo local nos dias 12, 13 e 14 de julho de 2013.

Tópicos:

Awolnation, Cry Forest Lullaby Why Can I You? Friday I, Florence +, Optimus Alive, Passeio ítimo,

A informação mais vista

+ Em Foco

A ONU alerta para um ano de grande instabilidade e de necessidades maiores por parte da população civil.

Os dias estão mais quentes e não é por causa do advento da primavera. A razão está identificada - as alterações climáticas fazem-se sentir em todo o planeta e as consequências espelham-se em fenómenos extremos.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.