Debate sobre o atentado de Paris

| Debates
Debate sobre o atentado de Paris

Foto: Rita Roque/Antena 1

O investigador Bernardo Pires de Lima, o padre Anselmo Borges e o cartoonista Luís Afonso estiveram nos estúdios da Antena 1 a comentar este assunto que marca a atualidade, num debate moderado pelo jornalista Nuno Rodrigues.

Temas políticos, religiosos e a própria liberdade de expressão e de imprensa surgem com o ataque de quarta-feira à redação da revista satírica Charlie Hebdo, que provocou 12 mortos deve ser punido exemplarmente, considera o investigador Bernado Pires de Lima.

Alerta ainda para a crescente imagem de "heróis" que os dois atacantes vão semeando, ao resistir por mais tempo à investida de 90 mill polícias e a todo um estado de direito. Diz que este tipo de ataques constituem "uma facada" à religião islâmica como um todo, principalmente aos muçulmanos integrados em diferentes países europeus.

A voz católica ouvida neste debate, o padre Anselmo Borges, destaca as questões políticas e de frustração, em que a religião acaba por ser "manipulada" na justificação deste tipo de atos. Considera ainda que a religião católica, que continua a ser predominante em vários países ocidentais, deve unir-se na resposta aos ataques desta natureza, e fala do exemplo dado pelo Papa Francisco.

Também o cartoonista Luís Afonso reconhece que os temas religiosos são sempre sensíveis, mas que o papel do cartoonista é críticar: "há certos temas que não podemos evitar". Sobre se há uma linha entre o aceitável e o não aceitável quando se retrata um assunto, o cartoonista diz que deve ser cada um a impor "os seus próprios limites."

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.