Debate sobre o atentado de Paris

| Debates
Debate sobre o atentado de Paris

Foto: Rita Roque/Antena 1

O investigador Bernardo Pires de Lima, o padre Anselmo Borges e o cartoonista Luís Afonso estiveram nos estúdios da Antena 1 a comentar este assunto que marca a atualidade, num debate moderado pelo jornalista Nuno Rodrigues.

Temas políticos, religiosos e a própria liberdade de expressão e de imprensa surgem com o ataque de quarta-feira à redação da revista satírica Charlie Hebdo, que provocou 12 mortos deve ser punido exemplarmente, considera o investigador Bernado Pires de Lima.

Alerta ainda para a crescente imagem de "heróis" que os dois atacantes vão semeando, ao resistir por mais tempo à investida de 90 mill polícias e a todo um estado de direito. Diz que este tipo de ataques constituem "uma facada" à religião islâmica como um todo, principalmente aos muçulmanos integrados em diferentes países europeus.

A voz católica ouvida neste debate, o padre Anselmo Borges, destaca as questões políticas e de frustração, em que a religião acaba por ser "manipulada" na justificação deste tipo de atos. Considera ainda que a religião católica, que continua a ser predominante em vários países ocidentais, deve unir-se na resposta aos ataques desta natureza, e fala do exemplo dado pelo Papa Francisco.

Também o cartoonista Luís Afonso reconhece que os temas religiosos são sempre sensíveis, mas que o papel do cartoonista é críticar: "há certos temas que não podemos evitar". Sobre se há uma linha entre o aceitável e o não aceitável quando se retrata um assunto, o cartoonista diz que deve ser cada um a impor "os seus próprios limites."

A informação mais vista

+ Em Foco

Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

    Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

      A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.